notícias, saúde

’Desprezo’pelo meio ambiente é causa da pandemia, diz cientista

O “desprezo” pelo meio ambiente causou a crise do novo coronavírus, estima a famosa primatologista britânica, Jane Goodall, de 86 anos, que dedicou sua vida à defesa dos animais e do meio ambiente. “Mas é hora de aprender com nossos erros e tentar evitar mais catástrofes”, afirma.

Como você vê essa pandemia?

Nosso desprezo pela natureza e nossa falta de respeito pelos animais, com quem deveríamos compartilhar o planeta, causaram essa pandemia esperada há muito tempo. À medida que destruímos as florestas, por exemplo, as diferentes espécies de animais que vivem nelas são obrigadas a se mover e as doenças passam de um animal para outro. E esse outro animal, obrigado a estar mais próximo dos humanos, provavelmente pode infectá-los.

Também há a caça de animais selvagens, vendidos nos mercados da África e Ásia, especialmente na China, onde são criados em cativeiros superlotados, que abrigam de forma cruel bilhões de animais. Essas condições dão oportunidade para os vírus passarem entre as espécies e atingirem os seres humanos.


O que pode ser feitos com estes mercado de animais?

É realmente bom que a China tenha fechado os mercados de animais vivos. É uma proibição temporária, que esperamos que se torne permanente e que outros países asiáticos adotem. Mas na África será muito difícil parar de vender carne de caça, porque muitas pessoas dependem dela para sua subsistência. Você terá que pensar muito em como fazê-lo, porque não pode impedir alguém de fazer algo quando não tem dinheiro para viver ou sustentar sua família. Mas que essa pandemia pelo menos nos ensine o que fazer para evitar a próxima.

O que podemos esperar?

Temos que entender que fazemos parte do mundo natural, que dependemos dele e que, ao destruí-lo, roubamos o futuro de nossos filhos. Espero que, como resultado dessa resposta sem precedentes, esses confinamentos impostos ao redor do mundo, mais e mais pessoas abram os olhos e comecem a pensar maneiras diferentes de viver suas vidas.

Qualquer um pode fazer algo que causa impacto todos os dias, se pensar nas consequências das pequenas escolhas: o que comemos, de onde vem, se causou crueldade a qualquer animal, se provém da agricultura intensiva, que é a maioria dos produtos, se é barato pode ser graças à exploração infantil, se sua produção prejudica o meio ambiente, quantos quilômetros teve que percorrer, se andarmos em vez de pegar o carro.

As pessoas pobres não podem escolher entre esses dilemas éticos, precisam fazer o que podem para sobreviver, não podem fazer essas perguntas sobre o que compram, porque deve ser o mais barato. E eles cortarão a última árvore porque estão desesperados para encontrar terras para plantar algo para comer. O que cada um de nós pode fazer em nossas vidas depende de quem somos, mas todos podemos fazer a diferença, todos. (Stéphane Orjollet – AFP)

Publicado originalmente em Jornal do Cruzeiro

notícias, Sem categoria

CONTATO COM CÃES NA INFÂNCIA PODE DIMINUIR O RISCO DE ESQUIZOFRENIA

Que animais beneficiam a saúde humana já não é mais novidade. No entanto, segundo um novo estudo publicado pela revista Plos One, a exposição a cães pode diminuir o risco de desenvolver esquizofrenia na fase adulta.

De acordo com o presidente da Divisão Stanley de Neurovirologia Pediátrica e professor no Johns Hopkins Children’s Center, Robert Yolken, os distúrbios psiquiátricos graves têm sido associados a alterações no sistema imunológico ligadas a exposições ambientais no início da vida, com isso o contato com os animais poderá responder algumas perguntas. “Os animais domésticos estão muitas vezes entre as primeiras coisas com as quais as crianças têm contato próximo, era lógico explorarmos as possibilidades de uma conexão entre os dois”, afirmou.

O estudo, realizado por Yolken e colegas do Sheppard Pratt Health System, em Baltimore, investigou a relação entre a exposição a um gato ou um cão de estimação durante os primeiros 12 anos de vida e um diagnóstico posterior de esquizofrenia ou distúrbio bipolar.

Os resultados para a esquizofrenia mostraram uma diminuição estatisticamente significativa no risco de desenvolver a doença quando exposto a um cão no início da vida. Em toda a faixa etária estudada, não houve ligação significativa entre cães e distúrbio bipolar, ou entre gatos e qualquer distúrbio psiquiátrico. Porém, os investigadores afirmam a necessidade de mais tempo de análise.

O que tem potencializado a pesquisa, são estudos anteriores que identificaram a exposição precoce aos pets como fator ambiental que pode alterar o sistema imunológico, nomeadamente em respostas alérgicas, contato com bactérias zoonóticas (animais) e vírus, mudanças no microbioma de uma casa, além de ter efeitos de redução do estresse.

Segundo Yolken, que exemplifica utilizando outros investigadores, está “modulação imunológica” pode alterar também o risco de desenvolvimento de distúrbios psiquiátricos aos quais uma pessoa está predisposta.

O projeto analisou 1 371 homens e mulheres entre 18 e 65 anos, dos quais 396 sofriam de esquizofrenia, 381 de transtorno bipolar e 594 foram utilizados como controle. As informações documentadas e analisadas sobre cada pessoa incluíam idade, sexo, raça/etnia, local de nascimento e nível de educação parental e o fato de terem tido um gato ou um cão de estimação durante os seus primeiros 12 anos de vida.

Como afirma o pesquisador, os resultados sugerem que as pessoas que são expostas a um cão de estimação antes do seu 13.º aniversário são significativamente menos prováveis – menos 24% – de serem diagnosticadas posteriormente com esquizofrenia. “O maior efeito protetor aparente foi encontrado em crianças que tiveram um cão de estimação logo ao nascer ou foram expostas pela primeira vez após o nascimento, mas antes dos três anos de idade”, acrescentou.

Para Yolken, isto significa que, caso se confirme, 840 mil casos de esquizofrenia (24% dos 3,5 milhões de pessoas diagnosticadas com a doença nos Estados Unidos) podem ser evitados pela exposição a cães.

“Há várias explicações plausíveis para este possível efeito ‘protetor’ do contato com cães – talvez algo no microbioma canino que é passado para humanos e reforça o sistema imunológico contra ou submete uma predisposição genética à esquizofrenia”, disse.

Perante a bipolaridade, os resultados sugerem que  não há associação de risco, seja positiva ou negativa. No geral, para todas as idades examinadas, a exposição precoce a gatos de estimação também foi neutra.

Porém, o presidente alerta que encontraram um risco ligeiramente maior de desenvolver ambas as doenças para aqueles que tiveram o primeiro contato com gatos entre 9 e 12 anos de idade. “Isto indica que o tempo de exposição pode ser crítico para se alterar ou não o risco”, finalizou.

Fonte: Veterinária Atual, publicado originalmente por Cães&Gatos VET FOOD

notícias

Razões para amar um animal com tanta intensidade

O famoso psiquiatra Sigmund Freud disse que as razões que nos levam a amar um animal com tanta intensidade são compreensíveis quando vemos que o amor delas é incondicional.

A relação que temos com nossos animais é libertada dos conflitos insuportáveis da cultura. Freud estava certo quando disse que “os cães não têm a personalidade dividida, nem a crueldade do homem civilizado nem vingança deste último contra as restrições que a sociedade impõe.”

Ele corretamente disse que um cachorro contém a beleza de uma existência completa. E que um sentimento de afinidade íntima, de solidariedade indiscutível, existe muito claramente.

“As emoções simples e diretas de um cachorro, quando ele abana o rabo para expressar sua alegria ou latidos para mostrar seu descontentamento, são muito mais agradáveis. Os cães nos lembram dos heróis da história e talvez seja por isso que eles frequentemente recebem seus nomes. “

-Sigmund Freud-

O cachorro vive em média 12 anos … Por que é tão injusto?

O fato de um cão ou gato viver apenas 12 anos em média é incompreensível e injusto. Por quê? Porque perder a oportunidade de continuar a compartilhar a vida com uma pessoa de quatro patas é extremamente doloroso.

Quando amamos um animal, todo o tempo que passamos com ele não é suficiente. Porque quando estamos com ele, quando olhamos para ele com ternura e amor, percebemos que o tempo passa rápido demais.

Percebemos essa sensação de tempus fugit quando, a cada carícia, sentimos o coração do nosso animal agitar-se no nosso. No entanto, o contraste aparece quando, após cada olá e depois de cada momento compartilhado, entendemos que esse amor é infinito.

Suas superpotências, armas de bondade maciça

Pensamos, com ternura, que nossos queridos animais têm superpoderes. Isso nos faz amá-los muito. Quando fazemos uma lista mental de tudo o que nos surpreende em casa, não podemos deixar de sorrir.

Quando amamos um animal, muitas coisas nos surpreendem e nos amolecem. Sua capacidade de prever o futuro ou “sentir” quando vamos para casa . Sua empatia e capacidade de estar em sintonia com o nosso estado emocional. Sua habilidade em nos confortar e nos motivar …

É difícil deixar nossos animais sozinhos em casa. Seus olhos suplicantes nos enchem de dificuldade. Mas a alegria deles em nos ver nos inunda de felicidade.

Os animais são, sem dúvida, os melhores terapeutas possíveis para muitas pessoas. Sua nobreza e bondade não têm limites. Se não temos um animal para amar, parte da nossa alma está adormecida. Mas esta reservou um espaço para amar os animais. Para desfrutar de seu amor incondicional e suas lições.

A declaração “ninguém jamais amará você mais do que a si mesmo” perde seu significado. Porque os animais são verdadeiros mestres na arte do amor. Cada segundo gasto com eles é um presente. Amar um animal é uma das mais belas experiências. Aqueles que viveram sabem disso.

Crédito da imagem da capa: Souzza

Do site Nos Pensées

Publicado originalmente em pensar contemporâneo

notícias

Mulher ganha permissão do trabalho para faltar ao trabalho e cuidar de seu cachorro doente

Para a maioria das pessoas, os animais de estimação são outro membro da família, o que significa que não apenas demonstramos carinho com eles, mas também que há um compromisso com eles: dedicamos nosso tempo, atenção, cuidado e prestamos nossa ajuda nos momentos mais difíceis. Isso é o que alguém faria com a mãe, irmão ou outra pessoa considerada importante. Então, por que não com nossos companheiros animais?
Quando um filho nosso fica doente, faltamos qualquer compromisso para cuidar dele, né? Logo, essa mudança de paradigma em nosso relacionamento com os animais também deveria acontecer e ficar ficar em casa e perder o trabalho é mais próximo disso.
Na Itália, isso aconteceu pela primeira vez: concederam uma permissão de trabalho para que uma mulher cuidasse do seu doguinho.
O cachorro de Anna estava muito doente e precisava de intervenção médica veterinária urgente. A mulher não tinha alternativa, ela não poderia tinha como deixá-lo sozinho em casa nessas condições, de acordo com o portal da Fundação LAV.

A mulher pediu ao seu chefe uma licença de dois dias para prestar os devidos cuidados ao filhote. Mas ela não teve sucesso num primeiro momento.
Mas graças ao apoio técnico e jurídico oferecido por uma ong de animais, ela teve o seu direito dado pelo seu empregador.
De acordo com a jurisprudência, a falta de tratamento de um animal na propriedade complementa o crime de abuso de animais fornecido pelo Código Penal. Não apenas o crime de abandono de animais está em vigor, conforme exigido pela primeira parte do artigo 727 do Código Penal.

Publicado originalmente em: https://www.asomadetodosafetos.com/

amor, histórias, Sem categoria

Torcedor do Flamengo rifa ingresso da Libertadores para tratar câncer de seu cachorro

Ter a chance de ir ao Maracanã e presenciar o duelo entre Flamengo e Grêmio, no próximo dia 23, que vale vaga na grande final da Libertadores, é para muitos rubro-negros a realização de um sonho. Danilo Mello era um dos torcedores que estavam na expectativa de acompanhar de perto este momento histórico. No entanto, o amor pelo seu cachorro, que luta contra um câncer, fez com que ele rifasse seu ingresso para custear o tratamento. A história bombou nas redes sociais, e a torcida do clube carioca abraçou a causa, fazendo com que a meta estabelecida fosse batida em menos de uma semana.
Danilo, de 32 anos, que é ator, mas atualmente está desempregado, divide os cuidados de “Doze” com sua namorada, a publicitária Renata Ragi, de 31. Em 2014, o casal adotou o cão que estava abandonado em Niterói. Ao DIA, os dois relataram a saga pela busca de dinheiro, que começou logo após uma visita ao veterinário, no dia 30 de setembro.
“Na segunda-feira (30), a gente ficou sabendo que o tumor era maligno. Antes ele já teve que operar. Ele teve o tumor retirado, que foi para a biópsia. Aí a gente teve essa resposta. Era um tumor maligno, grau 3. Descobrimos isso e falamos com a nossa veterinária, ela indicou uma quimioterapia com radioterapia. Disse que era a única chance, porquê este tumor na mandíbula não era operável”, contou Danilo.
O drama do casal aumentou quando a veterinária explicou que só a fase inicial do tratamento poderia custar entre R$ 7 mil e R$ 9 mil. Para piorar, na última segunda, foi descoberto um nódulo no pescoço de Doze, que surgiu em decorrência ao câncer que se espalhou, fazendo com que os custos do tratamento subissem mais um pouco, podendo chegar em até R$ 10 mil. Com isso, o casal começou a pensar em soluções para arcar com essa quantia.
“Chegando em casa, começamos a pensar… O que a gente faz pra arrumar R$ 10 mil reais? Aí pensamos na vaquinha online. Eu falei pra ela (Renata): Devo conhecer umas 100 pessoas, você deve conhecer umas 100 pessoas. Num mundo ideal, se todo mundo ajudar um pouquinho, a gente consegue chegar num valor maneiro.”
“No meio disso tudo, eu pensei em vender alguma coisa. Primeiro pensei no meu carro, que tá velho, e nem tá pago. Depois de falar com um amigo, ele me explicou que sobraria no máximo uns R$ 2 mil reais. Olhei pra casa e só tinha um videogame. Aí eu pensei no maior bem material que eu tenho no momento, a maior preciosidade, que é o ingresso da semifinal, que todo mundo quer”, relatou Danilo, que confessou que sua namorada ficou surpresa com a ideia, pois sabia do seu amor pelo time.
“Não queria só solicitar dinheiro. Assim como eu tô no negativo, sei que muita gente também tá, então quisemos oferecer alguma coisa. Aí veio a ideia do ingresso. A gente pensou: Tem milhares de flamenguistas querendo, se cada um der um pouquinho a gente vai conseguir a ajuda, e alguém ainda vai conseguir este ingresso”, explicou Renata.
“Não vou perder o jogo, vou deixar de ir ao estádio, sei que é histórico… Sou alucinado pelo Flamengo, vejo tudo, meu vício é o Flamengo. Mas é o meu cachorro, vejo o jogo pela televisão”, disse Danilo, confessando que o amor pelo seu cachorro, é maior que o que ele tem pelo clube do coração.
A vaquinha que começou na última sexta-feira, havia arrecadado R$ 2 mil até domingo. O boom veio após a história viralizar entre os perfis e grupos de torcedores do Flamengo. Até o momento da publicação desta reportagem, quase R$ 20 mil reais tinham sido arrecadados. O casal, que escolheu o nome do cachorro em homenagem ao dia em que se conheceram (1/12/2012), prometeu repassar o valor doado além do limite para ONGS que atuam no resgate de animais.

Link para a vaquinha: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/rifa-do-doze

Matéria de: Leandro Chagas

Publicado originalmente: odia.ig

Sem categoria

DIA 04 DE OUTUBRO – DIA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS – PROTETOR DOS ANIMAIS E DA NATUREZA!

DIA 04 DE OUTUBRO – DIA DE SÃO FRANCISCO DE ASSIS – PROTETOR DOS ANIMAIS E DA NATUREZA!

Meu São Francisco de Assis
Protetor dos animais
Olhai por nós que rogamos
Vossa benção e muita paz.

Olhai os abandonados
Sofrendo agruras nas ruas
E os que puxam carroças
Açoitados nas ancas nuas.

Pelos pobres passarinhos
Que não podem mais voar
Presos em rudes gaiolas
Só porque sabem cantar.

E as cobaias de laboratório
Que sofrem dores atrozes
Em experiências terríveis
Que lhes impõem seus algozes.

Olhai os que são perseguidos
Sem piedade nas florestas
Só por causa da ambição
Dessas caçadas funestas.

Pelos animais de circo
Que não têm mais liberdade
Presos em jaulas minúsculas
À mercê de crueldade.

Olhai os bois de rodeio
E os sangrados nas touradas
Barbárie e crimes impostos
Por pessoas desalmadas.

Pelos que têm de lutar
Até a morte nas rinhas
Quando o homem faz apostas
Em transações tão mesquinhas.

Olhai para os que são mortos
Nos macabros rituais
Em altares religiosos
Que usam sangue de animais.

Meu bondoso protetor
Oro a vós por meus irmãos
Para que sua dor e tristeza
Não sejam sofrimentos vãos.

curiosidades, notícias, Sem categoria

Gatos são tão apegados aos donos quanto cachorros, diz estudo

Toda mãe e pai de gato sabe: eles são independentes. Limpam-se sozinhos, não pedem por atenção toda hora e mantêm aquele temperamento blasé boa parte do tempo. Isso faz parecer que eles são mais indiferentes aos donos que os cães.

Mas, como todo pai e mãe de gato também sabe, a verdade é que eles são incompreendidos. É o que diz um estudo da Universidade do Estado do Oregon, nos EUA. A pesquisa mostra que os bichinhos desenvolvem uma apego emocional muito grande com seu cuidador, tão forte quanto o desenvolvido por um cachorro ou mesmo por uma criança.

Os autores escrevem no estudo, publicado no periódico Current Biology, que as pesquisas científicas costumam subestimar a importância das relações sociais na vida dos gatos. Para analisar essas relações, eles resolveram investigar o nível de “apego” que os gatos têm com seus donos.

No estudo, os pesquisadores fizeram com os gatos um teste geralmente aplicado a bebês e cães. O experimento foi dividido em três partes: na primeira, o gato passou dois minutos em uma sala desconhecida junto com seu cuidador; na segunda, o felino ficou dois minutos sozinho nessa mesma sala e, na terceira, o dono retornou para mais dois minutos com o animal.

Nas duas primeiras fases do teste, a grande maioria dos gatos teve as mesmas reações: ficaram com seus donos durante os primeiros dois minutos, e demonstraram certa estranheza ou curiosidade sobre o lugar nos minutos em que estavam sozinhos. A terceira fase foi a que realmente mostrou resultados.

“Os gatos reagiram de três formas, basicamente. Vários deles “cumprimentaram” seus donos e seguiram explorando o ambiente de forma mais tranquila do que antes. Os mais inseguros deixaram de explorar o lugar e ficaram agarrados aos donos, outros evitaram o dono quando ele retornou”. A maioria (dois terços) estava no primeiro grupo, o que demonstrou menos estresse com a presença do criador.

É a mesma proporção que se encontra quando o teste é aplicado a cachorros e bebês. Ou seja: dá para dizer que, sim, os gatos são tão apegados aos seus pais humanos quanto cães e crianças pequenas.

Pense duas vezes antes de chamar seu gato de insensível.

Publicado originalmente em Revista Super Interessante

amor, notícias

Projeto de lei quer que animais deixem de ser ‘coisas’ e passem a ter mais direitos.

Uns dos projetos de lei mais importantes para um grande passo em defesa animal será votado hoje (07/08/2019). O projeto de lei que passará a considerar os animais como sujeitos de direitos despersonificados retirando-os da classificação jurídica de coisas.

A votação ocorrerá no Senado Federal.

PLC 27/2018 
PROJETO DE LEI DA CÂMARA nº 27 de 2018.

Acrescenta dispositivo à Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para dispor sobre a natureza jurídica dos animais não humanos.

Explicação da Ementa
Determina que os animais não humanos possuem natureza jurídica sui generis e são sujeitos de direitos despersonificados, dos quais devem gozar e obter tutela jurisdicional em caso de violação, vedado o seu tratamento como coisa.

A sociedade exige essa alteração! Isso vai além de política, mas uma questão de justiça para com os animais e os amantes deles! Os animais são partes da nossa família, seres maravilhosos e dignos de direitos!

O projeto, de autoria do Deputado Federal Ricardo Izar (PP), tramita atualmente no Senado e propõe que os animais não humanos deixem de ser tratados como meras coisas e passem a ser sujeitos de direitos despersonificados, tendo em vista sua natureza biológica e emocional, como seres sencientes, passíveis de sentimentos e sofrimento.

“Atualmente o nosso Código civil considera os animais como meras coisas, como um lápis, uma bicicleta ou um guarda-chuva. O que é inaceitável. Sendo que como sociedade já evoluímos tanto no cuidado animal. Hoje muitas pessoas consideram os pets como verdadeiros membros da família, muitos casais até planejam iniciar suas famílias com um pet”, lembrou o vereador.

Entre os principais objetivos do Projeto está a garantia de direitos e maior proteção dos “animais não humanos” – nomenclatura já utilizada hoje para caracterizar os animais na maioria dos países desenvolvidos. O projeto prevê, por exemplo, tutela jurisdicional em caso de violação desses direitos e veda o seu tratamento como coisa. e de

Para o vereador a mudança a aprovação da Lei poderá respaldar as ações na esfera municipal e ajudará a combater os maus-tratos e o abandono dos animais, duas questões fundamentais tanto para a saúde animal quanto para saúde pública, devido às zoonoses que se espalham mais facilmente entre os animais abandonados.

“Como Veterinário com 37 anos de profissão, tendo lutado toda a minha vida para cuidar, proteger e curar os animais, e hoje como vereador que defende a causa animal, digo que essa mudança está alinhada com toda minha jornada!”, enfatiza.

A medida vêm ao encontro também do anúncio feito no dia 30 de julho pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, sobre a criação da Secretaria dos Animais. Para o Veterinário Francisco, a criação da Secretaria é um avanço para a luta dos protetores dos animais e mostra a importância da causa.

Ele lembra que proteger e respeitar os animais não é uma opção e sim um dever. “Por isso seguimos lutando pelos animais e pets familiares que tanto amamos e que tanto amor nos dão de volta sem jamais pedir nada em troca!”

Fonte: enfoquems.com.br
Imagem: blogs.ne10.uol.com.br
Sem categoria

Pais de pet: Cuidados a serem tomados ao levar seu bichinho em uma viagem

Promova dias de passeio e diversão a quem sempre está ao seu lado em todos os momentos da sua vida
Quem tem bicho em casa conhece de perto o dilema chamado viagem. Como deixá-los sem nossa companhia por alguns dias? Essa é, sem dúvida, uma das perguntas mais angustiantes para quem não vive sem seu melhor amigo.
A boa notícia é que viajar com animais de estimação é uma tendência cada vez maior no Brasil.
Isso quer dizer que você não precisa deixar seu pet em hotéis para animais ou sob os cuidados de algum parente ou amigo enquanto você curte alguns dias de férias.
No entanto, para levar seu companheiro de aventuras com você e proporcionar momentos de muita diversão, relaxamento e brincadeiras, é necessário estar atento a alguns pontos importantes.
Conheça o temperamento do seu amigo
Esse aspecto é fundamental e deve estar muito claro antes que qualquer providência seja tomada. Seu pet já viajou antes? Ele se adapta com tranquilidade a ambientes diferentes? Fica com medo ou agressivo quando está perto de estranhos?
Se ele for do tipo mais descontraído e amigo da galera, não haverá problema em levá-lo com você. Se você não sabe como ele irá se comportar, opte por fazer viagens curtas e para locais não muito distantes da sua casa para que ele possa ir se acostumando com essa vida boa de viajante.
De olho nas condições de saúde
Leve seu amigo ao veterinário antes da viagem. Muitas horas em carro ou avião podem gerar desconforto ao animal. Por isso, antes de tirá-lo da sua rotina, informe ao especialista que deseja viajar e ele fará a avaliação das condições de saúde.
Não se esqueça de que é imprescindível que o calendário de vacinas e vermifugação esteja em dia. Informe ao profissional quais são as condições e características do local para onde vocês irão.
Se o pet for para áreas muito quentes, zonas rurais ou locais com tendência para a contaminação por alguns tipos de zoonoses, ele pode estar sujeito a contrair determinadas doenças. Isso pode ser facilmente evitado com a profilaxia adequada.
Para não ter nenhum transtorno, peça ao veterinário uma declaração por escrito atestando as boas condições de saúde do pet, principalmente se a viagem será feita de avião.
Não é recomendado viajar com cães ou gatos doentes ou idosos. As mudanças no clima e no ambiente podem contribuir com a queda da imunidade, o que prejudica ainda mais os pets nessas condições.
Filhotes com menos de 4 meses devem viajar apenas em casos de extrema necessidade. Eles estão mais suscetíveis em adquirir doenças porque a vacinação não está completa.
O que não deve faltar na mala do seu amigo
Não são só os humanos que precisam de itens de viagens. Veja o que você deve providenciar para colocar na bagagem do seu pet:
Itens básicos – Coleira, guia, comida, brinquedos e recipiente para água e comida devem ser reservados. Não conte com a possibilidade de comprar ração no local de destino. Leve a porção ideal para os dias em que vocês estarão fora.
Cuidados pessoais – Lenços umedecidos, toalha de banho, filtro solar (essencial para cães albinos) e saquinhos para recolher as fezes devem ir para o necessaire do pet.
Medicamentos – Caso o pet faça uso de medicamentos de uso contínuo, leve-os juntamente com a receita. Na farmacinha, inclua os remédios que o veterinário poderá prescrever para serem usados durante a viagem.
Documentos – Carteira de vacinação e atestado de saúde do pet devem ficar em local de fácil acesso. O ideal é colocá-los junto com seus documentos de viagem.
Cuidados durante o deslocamento
Viagem de carro – O pet deve estar no banco traseiro e devidamente acomodado na caixa de transporte presa ao cinto de segurança. Evite o alimentar até 3 horas antes do início do percurso e não o alimente durante a viagem. Isso evita enjoos.
Não o prive de beber água e certifique-se de que ela esteja sempre na temperatura adequada. Faça paradas a cada 2 horas para que ele possa se alongar, fazer xixi e relaxar. Deixe a temperatura bem fresca. O calor deixa os bichinhos estressados.
Viagem de avião – O pet deve contar com uma caixa de transporte que atenda aos padrões estipulados pela companhia aérea. Siga todas as regras para evitar surpresas na hora do embarque.
Não se esqueça de deixar água para que ele possa tomar durante a viagem. Geralmente, junto com as caixas de transporte você receberá um recipiente apropriado para água.
Aproveitando os dias de descanso e curtição
Assim que chegarem ao local de destino, vocês estarão prontos para curtir dias de muita alegria. Para que tudo seja perfeito, leve em consideração os seguintes elementos:
Adaptação ao novo ambiente – Espalhar alguns brinquedos pelo local vai ajudá-lo a relaxar e transmitir maior sensação de segurança.
Áreas comuns de hotéis – É cada vez maior o número de acomodações que recebem pets. Para garantir um melhor convívio, não permita que seu amigo faça nada que atrapalhe os demais hóspedes.
Respeite a risca todas as normas relacionadas à presença de animais de estimação nos restaurantes dos hotéis, áreas de lazer, piscina e demais espaços.
Higiene – Leve seu amigo para fazer as necessidades fora do hotel. Não se esqueça de recolher as fezes com saco plástico e jogar o material corretamente no lixo.
Segurança – Mantenha seu pet sempre na coleira quando vocês estiverem desfrutando das áreas comuns ou passeando. Jamais o deixe sozinho no quarto. Tudo pode acontecer, desde choros que incomodam os demais hóspedes até acidentes.
Como conviver – Nem todo mundo gosta de bichos de estimação, então preveja olhares e comportamentos de reprovação e evite que seu bichinho se aproxime dessas pessoas.
É natural que crianças queiram se aproximar do seu pet para brincar e fazer carinho. Seja o termômetro para saber se ele fica agitado ou estressado demais. Isso evita transtornos e confusões.
Se você leu esse artigo e acha que é o momento para criar roteiros de viagem com seu bicho de estimação, considere viver dias de felicidade e amor em um resort no Rio de Janeiro. A cidade vai ficar ainda mais maravilhosa com a presença de quem só sabe dar amor e afeto.
Imagem: melhoramigo.com