adoção, amor, histórias

Conheça a história de Juca e Bolota – Adoção + amor e seus benefícios!

20180115_10413228327072.png

Ter um animal de estimação já é mais do que comprovado que traz diversos benefícios, tanto para saúde física, como emocional.

A História que vamos contar hoje é a prova de como é importante e gratificante adotar um animalzinho, que não só fará bem, como vai transformar a sua vida para melhor!

” Juca foi adotado há 2 anos, a mãe dele foi encontrada com os filhotes e resgatado. Encontrei-o em uma feirinha super cheia.

Os irmãos do Juca eram muito lindos (apelidados de bombons, por causa dos seus pelos marrons), mas quando cheguei só tinha sobrado o Juca por lá. Aí nem pensamos e o trouxemos para casa .

O Juca veio cheio de traumas, tinha medo de tudo (ainda tem muito medo de varias coisas), mas com muito carinho e amor, começou a entender que ali era o seu lar.

Ano passado ele nos deu o maior susto das nossas vidas quando fugiu enquanto viajávamos pra fora do país, mas nosso amor e a nossa conexão era tão grande que mesmo longe conseguimos encontrá-lo e levá-lo de volta pra nossa casa.

Foi aí que nossa vida também mudou, começamos a fazer resgates e ajudar alguns cachorros de rua, tudo com o intuito de que mais pessoas sentissem o amor imenso que existe entre um cachorro adotado e sua família.

Num desses resgates, nos ligaram pedindo ajuda pra uma filhotinha que estava amarrada a uma árvore no nosso bairro. Na mesma hora nos disponibilizamos a ajudar, mas não encontramos hospedagem pra ela ficar. Então decidimos que dormiria na nossa casa por uma noite e foi o suficiente pra ver que o Juca havia adotado aquela filhotinha como sua irmã. E foi assim que a Bolota também passou a fazer parte da nossa família.

Com tudo isso, pudemos perceber que o amor é multiplicado quando temos dois filhotes adotados e não dividido, e o amor só aumenta a cada dia! “

Está história foi enviada pela Arine, a dona do Juca e da Bolota!

Quando adota um cão, dificilmente vai se sentir sozinho. A presença deles é notante. E se você habituá-lo a ser sua companhia, pode ter certeza que ele ficará muito feliz e agradecido.

Ter um bichinho aumenta a segurança e autoestima do seu dono, ajudando assim em doenças como depressão, ansiedade e ajuda a melhorar as relações sociais do dono.

Ajudam a diminuir a pressão sanguínea, sedentarismo e a ter hábitos mais saudáveis. É um fato que adotar de cães e gatos traz muito amor para o lar. Animais abandonados geralmente possuem muito apego com quem os adota, porque se sentem gratos pelo cuidado.

Mas lembre-se adotar é um ato de amor, só adote se você estará disposto a cuidar do seu animalzinho até o fim da vida dele! Ele precisa de cuidados como qualquer ser vivo e de muito amor, se não está disposto a isto, não adote para abandonar novamente!

E se você quiser acompanhar a história do Juca e  da Bolota, é só segui-los no Instagram (https://www.instagram.com/ju_cao/)

Fotos: https://www.instagram.com/ju_cao/       https://www.instagram.com/carolinaspinaarts/

20180115_104156-1762577384.png

 

dicas, leitura

Dica de Leitura – Diga Trinta e Três

 

DIGA_TRINTA_E_TRES_1341335184B

Livro: DIGA TRINTA E TRÊS – Autor: Dr. Nick Trout

Diga Trinta e Três é um retrato íntimo e fascinante do dia-a-dia de um veterinário e de seus pacientes e uma combinação de instintos básicos e tecnologia de ponta que define os hospitais veterinários do século XXI.

O dia para o doutor Nick Trout começa bem cedo – às 2:47h! E, a partir daí, ele não consegue mais parar, dedicando-se entre um paciente e outro, enfrentando problemas inesperados, lidando com a dor e a ansiedade em tempo real, convivendo com as vitórias e os fracassos que fazem parte da vida.

Se você tem ou já teve um animal de estimação, este livro foi feito para você, porque mostra claramente que, quando há esperança, humildade, compaixão e amor incondicional, todas as decisões tomadas são sempre mais acertadas que erradas.

amor, curiosidades, histórias, notícias, Sem categoria

Cães acompanham dono ao hospital 

Acompanharam fielmente o amigo socorrido pelo SAMU.

Ali permaneceram.

Não pensavam em nada, preocupados e atentos observavam a reação do dono e a prestação de socorro.

Fiéis e amorosos, como devem ser os verdadeiros amigos.

Somente depois que o dono se movimentou e demonstrou que estava seguro, os cães abanaram o rabo e demonstraram uma sincera alegria.

Ficaram a noite toda acordados, cuidando do dono.

Via: Maurício Galvão 

amor, histórias, superação

Leishimaniose: Uma história de amor com final feliz

   Sabe aquelas histórias que te inspiram? Ainda mais nos dias de hoje onde as pessoas e animais são descartados ou esquecidos, como se não fossem uma alma com sentimento e vida?

   Eu me deparei sem querer com a história do Luau, um cãozinho que foi encontrado muito doente na rua, com nada menos que uma doença terrível, a Leishmaniose. A Mara foi quem o encontrou e resolveu se dedicar a dar amor e lutar pela cura desse “menino”, mesmo passando por todas dificuldades do tratamento que essa doença exige.

   A Leishmaniose é uma doença contagiosa causado por um protozoário, que é transmitida  somente pela picada de um mosquito. Os cães são apenas hospedeiros, não podem transmitir a doença para humanos. Os sinais mais comuns nos cães são: perda de peso e pelos, feridas e descamação da pele que não cicatrizam, crescimento anormal das unhas, entre outros.

   No Brasil o tratamento da Leishmaniose ainda é polêmico. Os ministérios da Saúde e da Agricultura determinam que animais infectados pela doença, devam ser sacrificados; o que causa revolta nos proprietários, pois os animais de estimação são considerados membros da família. Porém, o tratamento não é proibido e pode ser sintomático, com medicações veterinárias de uso oral.

   Para vocês conhecerem melhor a história do Luau, a Mara nós enviou um texto lindo.

” Era uma segunda-feira quente. Dez da manhã, 27 graus. Estradinha a caminho do trabalho e pá: algo ali no meio do caminho. Não era uma pedra no meio do caminho. Era um cão. Mas…cão?
Desviei, parei, desci do carro: ele estava inerte, entregue. Fiz uma foto me sentindo mal: não me sinto a vontade em registrar desgraças alheias. Mas fiz, subi no carro e fui pro trabalho que era a 100 metros dali.
Por coincidência do destino (e sorte do dog), eu trabalho num hotel/daycare/clínica vet. Em menos de 10 minutos estávamos lá eu e a vet — luva, jaleco, toalha pra envolvê-lo, muita curiosidade e corações a mil.
Peguei! Toalha ferveu na hora — ele estava num asfalto quente, entregue, só esperando o juízo final.
Levamos ele pra dentro da clínica, demos um conforto, mas a auto-estima era zero — sem resposta a estímulos, apenas um ser com uma casca na pele que já não tinha pelos.
Mal enxergava, mal ouvia, mal comia, não conseguia ter forças para ficar em pé e beber água. 
COMO ESTÁ O CÃO?
Colhemos sangue e mandamos para análise. Deixamos o dog confortável num local no hotel – com caminha, água a vontade, ração. Ele tremia muito. Estava muito magro, ferido – sentindo dor de alma.
Dia seguinte, resultados dos exames. Um pouquinho de anemia e nada demais gritante no resto, a não ser uma temida zoonose – a tal Leishmaniose Visceral Canina.
Aquilo veio como o soco no meu estômago. Tudo o que sempre li sobre essa doença era de que deve-se notificar o Centro de Controle de Zoonoses da região e o animal eutanasiado. Chorei bastante, pedi ajuda para amigos, li o que pude a respeito para não ser injusta nem com o cão, nem com o meio ambiente e nem com a lei.
E tudo me levava a entender que a eutanásia seria a única coisa a ser feita. Na noite do dia 11/10 ele ainda estava muito mal – comia na minha mão, com muito sacrifício. Conversei uns 40 minutos com ele, pedindo para ele reagir, sentir meu cheiro e entender que não estava sozinho. Mas ao mesmo tempo eu estava querendo que ele entendesse e já me perdoasse — o dia seguinte seria o Dia D.
Uma profissional médica veterinária, que auxiliou nos primeiros cuidados com ele, afirmou que havia tratamento e que eutanásia não seria a solução. Mas eu não estava confortável pois inclusive estava me achando uma fora-da-lei em sonegar a informação de uma zoonose importante — com a cabeça a mil, fui até o local onde ele estava, já decidida — obvio que perdi a coragem quando ele, com todo o sacrifício ficou em pé, tentou me olhar e me ofereceu um tímido abanar de rabo pelado pela doença.
Ainda enquanto buscava informações sobre o que fazer, um vet amigo meu citou sobre um médico veterinário que seria uma pessoa referência que poderia me ajudar na decisão sobre o assunto.
Fui em busca do profissional — o prof Marcio Moreira, que atende no Hospital Veterinário Anhembi-Morumbi. Em 48 horas eu estava levando o cão para ser examinado no hospital da faculdade e sendo orientada — agora com base para eu poder decidir o que fazer. 
ALTERNATIVAS
Tratar — tratamento de alto custo e trabalhoso. Nos primeiros 90 dias, muitos medicamentos, muita dedicação e um cão monitorado pelo resto da vida.
Eutanasiar — uma possibilidade, dado que o cão que vivia na rua e não era meu.
Ele me deixou a vontade para decidir – coisa que decidi ali mesmo no final da consulta. Tratar, pois nada é por acaso. Ele apareceu na minha frente. Essa situação era minha e de mais ninguém.
ARREGAÇANDO AS MANGAS
E com a ajuda e compreensão de marido, amigos queridos e meus cães — tenho 3 — iniciamos a maratona. Estamos na metade dela. Ele ganhou o nome de Luau, ganhou peso, ganhou seus pelos de volta e está respondendo bem ao tratamento. 
Tomamos todas as precauções, estamos levando o tratamento muito a sério, sem falhar um dia, um horário. E ficando com a emoção a flor da pele nos dias ruins que ele tem por conta das medicações. 
De alguma forma essa situação caiu no meu colo para eu aprender alguma coisa com isso. Já aprendi sobre tratamento de Leishmaniose. Já aprendi que quem tem amigos tem tudo. Continuo aprendendo sobre as coisas do amor. E tenho certeza que nessa jornada eu vou aprender ainda mais. Porque vida é vida – e enquanto ela existe, a gente não pode desistir. “
img-20171219-wa0043-1537147623.jpgEvolução da doença (Imagem: Mara Pallotta/Arquivo pessoal)
   Não é uma história linda e emocionante? Quisera todas as pessoas ou pelo menos poucas, que sejam, pensarem dessa forma, arregaçarem as mangas e lutar pela vida de outra vida, sem medir esforços?
   A incidência de Leishmaniose cresce a cada dia, e a cada dia, pessoas abandonam seu animais, por falta de informação, comprometimento e amor verdadeiro pelo seus cães. Sei o quanto é difícil e caro o tratamento, mas se você pode fazer, faça!
 img-20171219-wa00361695473258.jpg
Luau Feliz da vida! (Imagem: Mara Pallotta/Arquivo pessoal)
   Se você quiser acompanhar a história do Luau, siga-o no Instagram, lá você vai saber como ele está reagindo o tratamento e como está sua vida feliz!
   E caso queria saber mais sobre a Leishmaniose, temos uma matéria completa aqui no debate animal (https://debateanimal.com/2017/09/13/leishmaniose-canina)
   Para finalizar gostaria de agradecer a Mara Lucia Pallotta, hoje a dona dedicada do Luau, que foi incrível dividindo essa história de muito amor e garra! Estarei torcendo para que o Luau consiga se manter forte, feliz e saudável!
img-20171220-wa0017765991784.jpg
Mara e Luau – Prova do que o amor e a dedicação são capazes! Só olhar a carinha de felicidade dele! 🙂 (Imagem: Mara Pallotta/Arquivo pessoal)
histórias

Mãe manda mensagem para professora depois que o cão começou a agir estranho em casa – veja sua resposta inesperada

Sadie, uma menina de 4 anos de idade, tem diabetes tipo 1 e síndrome de Down, o que torna difícil para seus pais manter seus níveis de açúcar no sangue estáveis. Até que um Labrador especial se juntou à família!

Todos sabemos que os cães têm um olfato incrivelmente apurado. Na verdade, um cachorro chamado Hero, detectou uma queda nos valores de açúcar no sangue a quilômetros de distância! O animal é treinado para detectar quando os níveis de açúcar de Sadie estão muito baixos ou muito altos.

Um dia, Sadie estava na sua Escola Primária, enquanto Hero estava em casa, a mais de 8 quilômetros de distância. E foi aí que o cão começou a agir de forma estranha.

“Ele é normalmente um cachorro muito quieto.”, disse Michelle, a mãe de Sadie. “Gritar não está no seu protocolo. Mas ele apenas começou a lamentar e ele não parou.” Hero estava alertando Michelle de que os açúcares no sangue de Sadie estavam caindo, embora a criança estivesse bem longe. Então, a mulher enviou uma mensagem à professora de Sadie, para confirmar se estava tudo bem.

A professora, Kimberly Stoneman, disse: “ [A mãe de Sadie] me chamou e perguntou se eu poderia verificar seus níveis de açúcar e eles estavam bem.”, explicou Stoneman. “Eu testei e ela estava bem. Mas, dentro de meia hora, os níveis começaram a descer.”

Os valores de Sadie caíram repentinamente de 122 para 82. “Com valores baixos, ela podia entrar em um coma diabético ou até mesmo morrer!”, disse Michelle.

Mas não sob a guarda de Hero! KC Owens, a treinadora do animal, disse que usou uma fragrância engarrafada para o ajudar a detectar níveis baixos e altos de açúcar no sangue.

“Eles são fáceis de treinar e são usados pelo seu nariz”, disse Owens. “Esses cães podem acordar uma família no meio da noite por algo mínimo. Eles podem obter ajuda, e eles fazem isso muito antes de toda a tecnologia”. Owen disse que os Labradores têm centenas de milhões de receptores no nariz que os ajudam a cheirar a quilômetros de distância.

Ninguém tem certeza como Hero conseguiu detectar a mudança no açúcar no sangue de Sadie naquele dia, mas graças ao seu instinto e ao seu olfato incrivelmente apurado, ele acabou por salvar uma vida!

Felizmente, tudo isso não passou de um susto e a menina está sã e salva… Parabéns Hero!

Compartilhe essa história maravilhosa com seus amigos e familiares!

Fonte: terrainteressante.com