notícias

Sapo Romeu, o mais solitário do mundo, finalmente conhece sua parceira Julieta

Um sapo ameaçado de extinção, que passou mais de 10 anos isolado em um aquário na Bolívia, vai finalmente ganhar uma companheira.

Conhecido como o anfíbio mais solitário do mundo, Romeu é um sapo-aquático-de-sehuencas (Telmatobius yuracare) — acreditava-se até agora que ele era o último representante da espécie.

Mas os cientistas dizem ter encontrado Julieta, que será sua parceira, durante uma expedição a uma remota floresta nublada do país.

Romeu foi descrito por bióloga como sendo 'meio tímido e lento' — Foto: Robin Moore, Global Wildlife Conservation (via BBC)

Romeu foi descrito por bióloga como sendo ‘meio tímido e lento’ — Foto: Robin Moore, Global Wildlife Conservation (via BBC)

Ela foi capturada junto a outros quatro sapos da espécie em um riacho. A ideia é que eles se reproduzam e sejam reintroduzidos de volta à natureza.

Teresa Camacho Badani é chefe de herpetologia do Museu de História Natural Alcide d’Orbigny, na cidade boliviana de Cochabamba, e líder da expedição. Ela está confiante na teoria de que os opostos se atraem, mesmo se tratando de sapos:

“Romeu é muito calmo e relaxado, ele não se mexe muito”, disse ela à BBC News. “Ele é saudável e gosta de comer, mas é meio tímido e lento.”

Romeu (à esquerda) e Julieta (à direita), sua futura companheira, têm personalidades bem diferentes — Foto: Robin Moore, Global Wildlife Conservation (via BBC)

Romeu (à esquerda) e Julieta (à direita), sua futura companheira, têm personalidades bem diferentes — Foto: Robin Moore, Global Wildlife Conservation (via BBC)

No entanto, há muito poucos sapos desta espécie na natureza para manter uma população viável no longo prazo.

“Temos uma chance real de salvar os sapos sehuencas — restaurando uma parte única da diversidade de vida que é a base das florestas da Bolívia, e gerando informações importantes sobre como recuperar espécies semelhantes com grave risco de extinção.”

Cinco sapos da espécie - três machos e duas fêmeas - foram capturados durante a expedição — Foto: Stephanie Knoll, Museu de História Natural Alcide D'Orbigny (via BBC)
Cinco sapos da espécie – três machos e duas fêmeas – foram capturados durante a expedição — Foto: Stephanie Knoll, Museu de História Natural Alcide D’Orbigny (via BBC)

O sapos recém-descobertos vão receber tratamento para se proteger contra quitridiomicose, doença infecciosa que está exterminando anfíbios em todo o mundo.

Depois disso, Romeu vai se encontrar finalmente com Julieta, em uma tentativa de produzir descendentes que vão poder finalmente ser devolvidos ao seu habitat natural.

Na Bolívia, 22% das espécies de anfíbios enfrentam algum grau de ameaça de extinção — seja pela perda de habitat, a poluição ou a mudança climática.

Expedição procurou sapos em riachos de florestas  — Foto: Stephanie Knoll, Museu de História Natural Alcide D'Orbigny (via BBC)
Expedição procurou sapos em riachos de florestas — Foto: Stephanie Knoll, Museu de História Natural Alcide D’Orbigny (via BBC)

Teresa Camacho Badani diz que a história de Romeu é importante para chamar a atenção para a situação dos anfíbios.

A expedição não encontrou nenhum outro sapo aquático em riachos vizinhos, levantando questões preocupantes sobre a saúde do ecossistema.

“É realmente uma boa oportunidade de usar o Romeu para ajudar a entender essas ameaças, ajudar a entender como trazer essas espécies de volta, mas também para aproveitar o espaço global que Romeu e sua espécie têm agora”, diz ela.

Outros anfíbios, como o sapo-parteiro-de-maiorca, da Espanha, e o sapo-de-Kihansi, da Tanzânia, procriaram e foram reintroduzidos na natureza a partir de apenas alguns representantes da espécie no passado.

“Eles oferecem esperança, no contexto desta sexta extinção em massa, de que há soluções para manter nossa biodiversidade maravilhosa, para proteger espécies ameaçadas e até extintas na natureza e trazê-las de volta para recuperar algumas das belezas desses ecossistemas”, afirma Jordan.

Todas as espécies são importantes e não devem ser subestimadas, já que seu DNA representa milhões e milhões de anos de evolução, acrescenta.

Publicado originalmente: g1.com, por BBC

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s