adoção, amor, histórias, Sem categoria, superação

Conheça a história da Pê

Fico feliz quando me deparo com histórias de amor com os animais, e mais feliz ainda em poder dividir com vocês.

A história de hoje é da Pê, uma cachorrinha linda e charmosa, que sofreu muito com o abandono e maus-tratos, mas felizmente encontrou uma dona maravilhosa que a acolheu e mudou sua vida!

20190207_092416.jpg

Imagem: Instagram @pe_pezinha

Eu pedi que sua dona, Tássia Búrigo, contasse a história da Pê para fazer a matéria, e ela fez um relato tão fofo, como se fosse a Pê escrevendo, que eu não quis mudar nadinha o texto para dividir com vocês!

“Eu era moradora de rua e seguia a minha vida normalmente. Até que um dia, em março de 2014, uns tios malvados colocaram um cano de PVC no meu pescoço, parecia um colar largo de PVC. Este cano era muito justo, machucando a parte de trás das minhas orelhinhas e o meu pescoço. E aí, eu comecei a definhar, porque eu não conseguia me alimentar, nem beber água com aquela coisa no pescoço. Mas não foi só isso, esses mesmos tios também me deram uma lambada na carinha, fazendo com que meu olho direito pulasse fora. Meus ossinhos do rostinho ficaram bem alterados, tipo amassados mesmo, sabem, tios?

Os moradores do bairro por onde eu andava falaram para os tios da ONG SOS Vira-Lata, uma ONG da minha cidadezinha, que tinha uma cadela andando com um cano de PVC no pescoço. As tias da ONG, então, começaram a me procurar. Mas foi difícil elas me encontrarem, porque eu não ficava sempre no mesmo lugar. Eu estava desesperada, procurando segurança e algum tio que pudesse me tirar aquilo do pescoço.

Levaram umas 3 semanas até que as tias me encontraram. Eu já estava desistindo da vida. Estava um saquinho de osso, já sem pelos, e sendo comida viva por bicheiras que se formaram em meu olhinho e em meus ferimentos ocasionados pelo cano. Quando a tia Carol me encontrou, eu estava num armário velho de cozinha, paradinha, olhando pro nada. A tia Carol tentou se aproximar, me ofereceu petisco, e eu: nada. Eu já havia realmente desistido de imaginar que alguém viria me salvar. Até que a tia viu que o jeito era me pegar no colo e me colocar no carro. Foi o que ela fez.

Deixei o maior futum no carro da tia Carol hihihi e fomos para a clínica veterinária, onde serraram meu cano, numa segunda tentativa com um outro serrote, e onde permaneci por uns 15 dias.

A maninha estava procurando um cãozinho especial para adotar, já que o trabalho dela então permitia ela ter um cachorro – antes ela ficava fora o dia todo e assim ela tinha consciência de que não daria para ter um cãozinho no apartamento. Ela queria um cão especial, pois via que, nas feirinhas de adoção, estes cães iam restando – tem muitos tios que preferem cãezinhos “perfeitos”.

Quando a maninha me viu passando na Fanpage da ONG, ela pensou “meu tio Jesus, não vou encontrar nenhum outro cão que precise mais da minha atenção do que essa!”. E assim, maninha começou a me visitar na clínica.

Todos os dias, maninha ia lá e me fazia carinho, que era pra ver se eu já estava me acostumando com ela. É que a maninha pensava que, em vista do que passei, eu certamente seria raivosa, ou antissocial, ou ia morder tudo, ou fazer xixi por tudo hihihi. Mas não.

Na primeira semana, maninha me fazia carinho e era como se ela fizesse carinho numa pedra. Eu estava estática, desacreditada, inanimada. Nos dias seguintes, comecei a ir tendo reações, até que chegou o dia de ir pra casa. Foi aí que veio a surpresa.

Quando os tios veterinários me colocaram no chão para eu ir até a maninha, eu fui faceira, balançando a rabiola! Maninha quase chorou e se arrepende até hoje de não ter filmado esta cena.

De lá pra cá, foi só alegria. No começo eu morria de medo de colo – e até hoje não curto muito – mas fomos nos conhecendo e nos adaptando uma à outra. Maninha sempre chora quando fala sobre nossa historinha, porque ela diz que fui eu quem adotei ela. Somos muito parceiras, já fui à praia, a restaurantes, em diversas praças, e outras cidades com ela. Uma vez fomos até a Gramado, num chalé que aceitava cachorro.

Maninha fala que nossa ligação é de outras vidas. Ela não imagina a vidinha dela sem mim (e vice-versa). Eu já sei quando ela vai sair, quando ela vai chegar, já conheço as palavras: petisco, nanar, passeio, já volto, não, vem, pula, tiozinho e outras. Sou tão gulosa que, na fase pós-internação, fui rapidamente dos 7 Kg até os atuais 12 Kg – mas num momento extrapolei e fiquei bem gordinha hihihi. Passei por fases feias, desde a cicatrização de todas as feridas até o nascimento dos pelos. Porém, maninha sempre me enxergou por dentro e sempre via a minha alminha linda e iluminada.

Hoje, eu sonho que nenhum cachorro desista, e acredite que, para cada tio maldoso, sempre haverá mais tios anjos. Maninha é meu anjo, minha luz.”

Dia do resgate da Pê Imagem: Instagram @pe_pezinha

Imagem: Instagram @pe_pezinha

“Maninha” é a salvadora da Pê (Tássia Búrigo), que com todo amor do mundo acolheu a Pê, mesmo com todas as dificuldades, ela cuidou, amou e fez a vida da cachorrinha mudar e poder ser muito feliz agora!

Para quem ama os animais, é muito difícil acreditar e aceitar que existam pessoas que façam mal as essas criaturinhas maravilhosas, mas também enche nosso coração de esperança quando nos deparamos com histórias como essa, aonde o amor e a dedicação prevalece!

E quem quiser acompanhar a vida da Pê, o Instagram dela é: @pe_pezinha. Sigam ela lá!

E o Facebook

Imagem: Instagram @pe_pezinha

Espero que a Pê continue linda e feliz na companhia da “Maninha” e que apareçam muitas outras histórias como essa para contarmos aqui no Debate Animal! E você tem alguma história de amor com um bichinho? Mande e conte para a gente!!!!!

adoção, amor, curiosidades, histórias, notícias

Muro de escola ganha grafite para incentivar a adoção de animais, em Coqueiros, Florianópolis

O muro da Escola Almirante Carvalhas, em Coqueiros, está mais colorido de umas semanas pra cá. Um grafite lindão feito por um dos nossos melhores artistas dá um incentivo para pessoas que estão na dúvida entre adotar um amiguinho de quatro patas ou comprar. A arte do grafiteiro Rodrigo Rizzo é uma extensão da campanha da Diretoria do Bem-Estar Animal da Capital, que tem em seus canis cerca de 100 cães e 60 gatos, vítimas de abandono e aguardando ansiosamente para ter uma família. Os interessados podem entrar em contato com a Dibea pelo telefone (48) 3234-5677.

A ideia da arte é incentivar a adoção e conscientizar as pessoas de que um animalzinho passa a ser responsabilidade delas até que a morte os separe, e não até eles ficarem idosos ou doentes.

Quer saber? Eu apoio!

Por Edsoul – olharanimal.org

Fonte: NSC Total

adoção, amor, histórias, notícias

Maratonista resgata filhote durante prova e corre 30km com animal no colo

A atleta tailandesa, Khemjira Klongsanun resgatou um filhote da beira da estrada durante uma maratona na cidade de Ratchaburi, na Tailândia. A prova de 41 quilômetros não estava nem na metade quando ela viu outros participantes em torno do cachorro.

Ela, então, o pegou e correu os 30 quilômetros restantes com ele no colo.

“Eu percebi que ele estava perdido. Não tinha casas, outros cachorros ou nenhuma pessoa por perto. Ele estava confuso no meio daquele ambiente”, disse Khemjira ao site Daily Mail.

Depois da maratona, a tailandesa decidiu adotar o cãozinho, que foi batizado de Chombueng.

Fonte: Vírgula

adoção, amor, gatos, histórias, notícias, Sem categoria

Adotar um gato alonga a vida: eles combatem a depressão e fazem bem ao coração

Se você ainda não foi conquistado pela sua simpatia e beleza, aqui está uma boa razão para adotar um gato: de acordo com um estudo recente, os felinos prolongam a vida de seus donos. E não só.

Isso foi confirmado pela Fundação Iseni e pelo Centro Cuore Malpensa: há um ano essas instituições fizeram uma campanha pela adoção de um cão entre os cardiopatas para melhorar a expectativa de vida dos pacientes e evidenciaram os mesmos benefícios no caso dos gatos – com alguns benefícios extras.

O principal benefício que pode ser extraído da companhia felina diz respeito à esfera dos transtornos relacionados ao estresse, transtornos depressivos e síndrome de ansiedade.

A explicar os mecanismos subjacentes a esta relação benéfica é diretamente Professor Andrea Macchi – Diretor do Centro do Coração e dos Istituti di Ricovero e Cura Gruppo Iseni Sanità di Lonate Pozzolo: “O contato com pêlo de gato produz oxitocina, o hormônio felicidade. Ao contrário do cão, a dificuldade do gato para confiar e contar com o ser humano estimula nesse último o auto-controle e um esforço mais prolongado para se relacionar com o filhote. O contato com o pelo do gato também é agradável e relaxante, tem um efeito positivo sobre a pressão sanguínea e sobre os batimentos cardíacos. Ronronar é uma resposta imediata da atenção dada ao animal e relaxam naturalmente também o paciente, que tem enormes benefícios a nível cardiovascular, prolongando e melhorando a vida humana”.

Os resultados do estudo feito, portanto, levaram a uma iniciativa semelhante àquela feita com os cães: foram feitas parcerias com abrigos locais, convidando os pacientes com doença cardiovascular a adotarem um gato. Serão os cardiologistas do centro a explicarem os benefícios aos pacientes, de maneira científica detalhada.

Uma solução que satisfaz dois objetivos: “primeiro, é claro, prolonga a vida do doente e depois, dá uma casa para gatos abandonados, que terão agora uma família”, diz Andrea Macchi, que, para dar um bom exemplo, imediatamente recebeu um gato em casa.

Inútil dizer que você não precisa ter problemas de coração para adotar um gato: ele irá recompensá-lo da mesma maneira – e com muito mais. 😉

Imagem de Rita Locci – Seus gatos Donatella e Leonardo

Publicado originalmente: Contioutra

adoção, amor, histórias, superação

Cachorro que tinha medo de ser tocado, agora não consegue parar de se aconchegar em seu salvador

Para um cachorro chamado Aka, toda a sua vida se resumiu a sobrevivência. Ele vagou pelas ruas de Lahan Sai, no Camboja, em busca de comida, água e lugares seguros para dormir. Quando Aka ficou doente e perdeu a maior parte de sua pele, a sobrevivência ficou ainda mais difícil.

Em agosto, Michael Chour, fundador do The Sound of Animals, um grupo que resgata cachorros na Tailândia e no Camboja, estava dirigindo para casa quando viu Aka na estrada.

“Aka saiu no meio de uma estrada muito movimentada a meio da noite, sem se importar com os carros que passavam por ele”, disse Chour. “Ele tinha um dos piores casos de sarna que já tinha visto. Eu acho que ele ficou doente por mais de um ano.”

Chour parou o carro e chamou por Aka. A princípio, o cachorro tentou fugir, mas quando Chour colocou uma tigela de comida no chão, Aka voltou.

Então Chour estendeu a mão e começou a acariciar Aka, que não parecia saber como reagir. É possível que ninguém tenha tocado em Aka dessa forma anteriormente, explicou Chour.

“As pessoas aqui odeiam cachorros vadios e muitas vezes simplesmente atiram pedras neles”, disse ele. “E eu que ele nunca teve um dono a vida toda.”

Aka ainda parecia estar com muito medo, mas Chour conseguiu convencê-lo a entrar no carro para que ele pudesse levar Aka ao abrigo de sua organização, o Blue Dream.

“Provavelmente foi o cansaço que o fez aceitar vir comigo”, disse Chour. “Mas também acho que ele entendeu que eu queria ajudar.”

Chour colocou alguns cobertores macios no banco de trás do carro e Aka se aconchegou neles.

“Eu coloquei minha mão em sua cabeça o tempo todo que dirigimos de volta ao abrigo”, disse Chour. “A certa altura ele se chegou perto de meus braços para um abraço.”

Assim que chegaram ao Blue Dream, Chour e os outros voluntários fizeram um exame médico completo a Aka e além de sarna, ele tinha parasitas no sangue e uma infecção bacteriana, então a equipe começou a tratar ele com antibióticos e fluidos IV.

Aka passou as semanas seguintes recuperando sua saúde e força – e depois de um mês, ele já parecia um cachorro completamente novo .

“Ele está aos meus cuidados há mais de um mês, e ele já tem seu todo o pelo de volta”, disse Chour. “Não completamente, mas quase.”

Aka também começou a adorar Chour e agora procura ativamente amor e atenção.

“Aka encontrou seu motivo para viver”, disse Chour. “Ele voltou a confiar novamente e sempre pede atenção. Eu adoro vê-lo pular atrás de mim. Ele nem precisa de uma coleira para caminhar, porque ele nunca fica a mais de um metro de mim.

Aka vai ficar no Blue Dream até Chour encontrar uma família que gostaria de adotá-lo, embora Chour também esteja considerando manter Aka no abrigo, porque ele simplesmente não consegue ficar longe de Chour.

“Todos os dias, eu o trago comigo no carro para fazê-lo feliz, e ele gosta de pular nos meus ombros enquanto eu dirijo”, disse Chour. “Ele me beija e me beija o tempo todo.”

Aka está seguro agora, mas Chour ressalta que há inúmeros outros cachorro na mesma situação – não apenas no sudeste da Ásia, mas em todo o mundo.

“Eu adoraria que as pessoas olhassem em volta e se vissem outro Aka, apenas o leve e o ame, já que todos esses cachorros têm muito para dar”, disse Chour.

Publicado originalmente em: Portal Animal

 

adoção, amor, histórias

Conheçam a Nina

A Nina foi adotada no Rio de Janeiro. Seus donos amam vira-latas, mas no fim descobriram na consulta veterinária que a Nina era da raça Dachshund. Claro que a raça não importava para eles, somente o amor e foi logo de cara que se apaixonaram por ela.

É muito brincalhona, bagunceira, comilona, carente e muito feliz. Adora dormir agarrada com seus pais.

Ela tem seu Instagram e adora fazer poses!

Siga a Nina no Instagram: @mundonina2018

Se você quer dividir seu amor com a gente, conte sua história e mande fotos do seu amigo para o debate animal!

#debateanimal #loucosporbichos #amoranimal #loucosporcachorros #dogs #nina #amor #adoção #adote

Imagens: Paula Mello
adoção, amor, notícias

28 de abril, dia mundial da boa ação

Dia mundial da boa ação – 28 de abril

Vocês sabiam que hoje é o dia mundial da boa ação? Que tal aproveitar e fazer uma boa ação e adotar um animalzinho que precisa de um lar? Em troca o que você vai receber? Muito amor, alegria e uma companhia maravilhosa que com certeza mudará sua vida para melhor!

#diamundialdaboação #adote #boaação #amoravida #debateanimal

❤❤❤❤❤❤

adoção, amor, notícias

Banda Onze:20 incentiva a adoção de animais em clipe de música nova

A banda Onze20, lançou um clipe para o single ” Não dá” , primeiro do novo trabalho Histórias para contar.

“Não Dá” mostra o amor do grupo pelos animais e incentiva a adoção de filhotes em uma parceria com a PAAP – Associação de Proteção Animal e Ambiental de Poá, São Paulo.

Faça parte dessa campanha, “não dá” para deixar um filhote sozinho!

Todos os filhotes em fundo vermelho que aparecem durante o vídeo estão para adoação na PAAP Associação de proteção animal e ambiental de Póa/SP.

Para adotar estes ou dezenas de outros, entre em contato:

email: paappoa@gmail.com    Fone: (11)96916-7936

https://www.facebook.com/paapsp/