amor, histórias, Sem categoria

Torcedor do Flamengo rifa ingresso da Libertadores para tratar câncer de seu cachorro

Ter a chance de ir ao Maracanã e presenciar o duelo entre Flamengo e Grêmio, no próximo dia 23, que vale vaga na grande final da Libertadores, é para muitos rubro-negros a realização de um sonho. Danilo Mello era um dos torcedores que estavam na expectativa de acompanhar de perto este momento histórico. No entanto, o amor pelo seu cachorro, que luta contra um câncer, fez com que ele rifasse seu ingresso para custear o tratamento. A história bombou nas redes sociais, e a torcida do clube carioca abraçou a causa, fazendo com que a meta estabelecida fosse batida em menos de uma semana.
Danilo, de 32 anos, que é ator, mas atualmente está desempregado, divide os cuidados de “Doze” com sua namorada, a publicitária Renata Ragi, de 31. Em 2014, o casal adotou o cão que estava abandonado em Niterói. Ao DIA, os dois relataram a saga pela busca de dinheiro, que começou logo após uma visita ao veterinário, no dia 30 de setembro.
“Na segunda-feira (30), a gente ficou sabendo que o tumor era maligno. Antes ele já teve que operar. Ele teve o tumor retirado, que foi para a biópsia. Aí a gente teve essa resposta. Era um tumor maligno, grau 3. Descobrimos isso e falamos com a nossa veterinária, ela indicou uma quimioterapia com radioterapia. Disse que era a única chance, porquê este tumor na mandíbula não era operável”, contou Danilo.
O drama do casal aumentou quando a veterinária explicou que só a fase inicial do tratamento poderia custar entre R$ 7 mil e R$ 9 mil. Para piorar, na última segunda, foi descoberto um nódulo no pescoço de Doze, que surgiu em decorrência ao câncer que se espalhou, fazendo com que os custos do tratamento subissem mais um pouco, podendo chegar em até R$ 10 mil. Com isso, o casal começou a pensar em soluções para arcar com essa quantia.
“Chegando em casa, começamos a pensar… O que a gente faz pra arrumar R$ 10 mil reais? Aí pensamos na vaquinha online. Eu falei pra ela (Renata): Devo conhecer umas 100 pessoas, você deve conhecer umas 100 pessoas. Num mundo ideal, se todo mundo ajudar um pouquinho, a gente consegue chegar num valor maneiro.”
“No meio disso tudo, eu pensei em vender alguma coisa. Primeiro pensei no meu carro, que tá velho, e nem tá pago. Depois de falar com um amigo, ele me explicou que sobraria no máximo uns R$ 2 mil reais. Olhei pra casa e só tinha um videogame. Aí eu pensei no maior bem material que eu tenho no momento, a maior preciosidade, que é o ingresso da semifinal, que todo mundo quer”, relatou Danilo, que confessou que sua namorada ficou surpresa com a ideia, pois sabia do seu amor pelo time.
“Não queria só solicitar dinheiro. Assim como eu tô no negativo, sei que muita gente também tá, então quisemos oferecer alguma coisa. Aí veio a ideia do ingresso. A gente pensou: Tem milhares de flamenguistas querendo, se cada um der um pouquinho a gente vai conseguir a ajuda, e alguém ainda vai conseguir este ingresso”, explicou Renata.
“Não vou perder o jogo, vou deixar de ir ao estádio, sei que é histórico… Sou alucinado pelo Flamengo, vejo tudo, meu vício é o Flamengo. Mas é o meu cachorro, vejo o jogo pela televisão”, disse Danilo, confessando que o amor pelo seu cachorro, é maior que o que ele tem pelo clube do coração.
A vaquinha que começou na última sexta-feira, havia arrecadado R$ 2 mil até domingo. O boom veio após a história viralizar entre os perfis e grupos de torcedores do Flamengo. Até o momento da publicação desta reportagem, quase R$ 20 mil reais tinham sido arrecadados. O casal, que escolheu o nome do cachorro em homenagem ao dia em que se conheceram (1/12/2012), prometeu repassar o valor doado além do limite para ONGS que atuam no resgate de animais.

Link para a vaquinha: https://www.vakinha.com.br/vaquinha/rifa-do-doze

Matéria de: Leandro Chagas

Publicado originalmente: odia.ig

amor, notícias

Projeto de lei quer que animais deixem de ser ‘coisas’ e passem a ter mais direitos.

Uns dos projetos de lei mais importantes para um grande passo em defesa animal será votado hoje (07/08/2019). O projeto de lei que passará a considerar os animais como sujeitos de direitos despersonificados retirando-os da classificação jurídica de coisas.

A votação ocorrerá no Senado Federal.

PLC 27/2018 
PROJETO DE LEI DA CÂMARA nº 27 de 2018.

Acrescenta dispositivo à Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, para dispor sobre a natureza jurídica dos animais não humanos.

Explicação da Ementa
Determina que os animais não humanos possuem natureza jurídica sui generis e são sujeitos de direitos despersonificados, dos quais devem gozar e obter tutela jurisdicional em caso de violação, vedado o seu tratamento como coisa.

A sociedade exige essa alteração! Isso vai além de política, mas uma questão de justiça para com os animais e os amantes deles! Os animais são partes da nossa família, seres maravilhosos e dignos de direitos!

O projeto, de autoria do Deputado Federal Ricardo Izar (PP), tramita atualmente no Senado e propõe que os animais não humanos deixem de ser tratados como meras coisas e passem a ser sujeitos de direitos despersonificados, tendo em vista sua natureza biológica e emocional, como seres sencientes, passíveis de sentimentos e sofrimento.

“Atualmente o nosso Código civil considera os animais como meras coisas, como um lápis, uma bicicleta ou um guarda-chuva. O que é inaceitável. Sendo que como sociedade já evoluímos tanto no cuidado animal. Hoje muitas pessoas consideram os pets como verdadeiros membros da família, muitos casais até planejam iniciar suas famílias com um pet”, lembrou o vereador.

Entre os principais objetivos do Projeto está a garantia de direitos e maior proteção dos “animais não humanos” – nomenclatura já utilizada hoje para caracterizar os animais na maioria dos países desenvolvidos. O projeto prevê, por exemplo, tutela jurisdicional em caso de violação desses direitos e veda o seu tratamento como coisa. e de

Para o vereador a mudança a aprovação da Lei poderá respaldar as ações na esfera municipal e ajudará a combater os maus-tratos e o abandono dos animais, duas questões fundamentais tanto para a saúde animal quanto para saúde pública, devido às zoonoses que se espalham mais facilmente entre os animais abandonados.

“Como Veterinário com 37 anos de profissão, tendo lutado toda a minha vida para cuidar, proteger e curar os animais, e hoje como vereador que defende a causa animal, digo que essa mudança está alinhada com toda minha jornada!”, enfatiza.

A medida vêm ao encontro também do anúncio feito no dia 30 de julho pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, sobre a criação da Secretaria dos Animais. Para o Veterinário Francisco, a criação da Secretaria é um avanço para a luta dos protetores dos animais e mostra a importância da causa.

Ele lembra que proteger e respeitar os animais não é uma opção e sim um dever. “Por isso seguimos lutando pelos animais e pets familiares que tanto amamos e que tanto amor nos dão de volta sem jamais pedir nada em troca!”

Fonte: enfoquems.com.br
Imagem: blogs.ne10.uol.com.br
amor, histórias

A lenda da ponte do arco-íris, o céu dos nossos animais de estimação

A lenda da Ponte do Arco-Íris nos diz que quando os anjos de quatro patas (e qualquer outra criatura que amamos) se despedem de nós e com um suspiro deixam seu último adeus escapar, eles cruzam esta ponte. Do outro lado, há prados e colinas onde eles podem correr, brincar e desfrutar de sua inocência…

Dizem que lá, do outro lado da ponte do arco-íris, há espaço, comida, água e sol suficientes para que todos se sintam bem. Além disso, de acordo com esta lenda, todos aqueles que estiveram doentes, foram mutilados ou cruelmente feridos, vêem sua saúde restaurada e transbordam de alegria.

De acordo com esta bela lenda da ponte do arco-íris, nossos amigos estão felizes e satisfeitos, exceto que sentem falta de alguém especial que eles deixaram do outro lado da Ponte do Arco-Íris. É por isso que, de repente, enquanto todos estão correndo e brincando, alguém para e fita seus olhos brilhantes no horizonte.

A reunião das nossas almas de acordo com a lenda da ponte do arco-íris:

Seu corpo estremece e com grande emoção ele se separa de seu grupo correndo rapidamente pelo país. Eles nos vêem no meio da ponte e correm rapidamente para nos encontrar. A lenda da ponte do arco-íris nos diz que, então, humanos e animais, amigos da alma, se encontram e nunca se separam.

Suas lambidas molhadas banham nosso rosto e nossas mãos não podem deixar de acariciar nosso anjo de quatro patas, nossa amada criatura. Então, de acordo com a lenda, permanecemos unidos por toda a eternidade através de um olhar de sabedoria mútua cheio de amor e nobreza.

A lenda da Ponte do Arco-Íris preenche nossos corações com esperança diante da perda de nossos queridos animais. Ela nos ajuda a entender metaforicamente que quando um animal deixa este mundo, ele permanece em nossos corações mesmo que não possamos desfrutar de seu calor fisicamente.

Mesmo que eles deixem este mundo, eles permanecem, cúmplices, fiéis e amorosos em nossos corações.

A ponte de arco-íris dos animais abandonados:

A lenda da ponte de arco-íris não esquece aqueles animais que não puderam, na vida, desfrutar do amor de uma pessoa. Assim, a história emocional de nossa lenda continua assim…

“De repente, na Ponte do Arco-Íris, amanheceu de maneira diferente do que os dias normais tão cheios de sol; Este foi um dia frio e cinzento, o dia mais triste que você pode imaginar. Os recém-chegados não sabiam o que pensar, nunca tinham visto um dia assim. Mas os animais que mais esperavam por seus entes queridos sabiam exatamente o que estava acontecendo e seguiram juntos no caminho que leva à Ponte para olhar.

Eles esperaram um pouco e um animal muito velho chegou, com a cabeça muito afundada e arrastando o rabo. Os animais que estiveram lá por um tempo souberam imediatamente qual era a história deles porque viram isso acontecer muitas vezes. Este animal se aproximava lentamente, muito lentamente, era óbvio que ele tinha uma grande dor emocional, embora não houvesse sinais físicos de dor.

Ao contrário dos outros animais que esperavam na ponte, este animal não retornara à juventude, nem retornara cheio de saúde e alegria. Enquanto caminhava em direção à ponte, ele viu como todos os outros animais olhavam para ele. Ele sabia que este não era seu lugar e que quanto mais cedo ele pudesse atravessar a ponte, ele seria feliz. Mas isso não seria assim. Quando ele se aproximou da ponte, um anjo apareceu e com um rosto triste pediu perdão e disse-lhe que ele não poderia cruzar. Apenas aqueles animais que foram acompanhados por seus entes queridos poderiam cruzar a Ponte do Arco-Íris.

Sem ter mais para onde ir, o animal maior virou-se e, entre os prados, viu um grupo de outros animais como ele, alguns mais velhos, outros muito frágeis. Eles não estavam jogando, eles estavam apenas deitados na grama, olhando para o caminho que levava à Ponte do Arco-Íris. Então, ele foi se juntar a eles, olhando a estrada e estava lá esperando.

Um dos recém-chegados à Ponte não entendeu o que viu e pediu a alguém para explicar o que estava acontecendo. «Vês aquele pobre animal e os outros que estão lá com ele? eles são os animais que nunca tiveram uma pessoa. Isso pelo menos chegou a um abrigo; Ele entrou no abrigo como você o vê agora, um animal mais velho, com cabelos grisalhos e uma visão um pouco nublada. Mas ele nunca saiu do abrigo, e morreu apenas com o cuidado de seu cuidador para acompanhá-lo enquanto ele deixava a terra. Como não tinha família para lhe dar amor, não tem ninguém para acompanhá-lo a atravessar a ponte ».

O primeiro animal estava pensando por um momento e perguntou: E agora o que vai acontecer? Antes de receber a resposta, as nuvens começaram a se romper e um vento muito forte as fez desaparecer. Eles podiam ver uma pessoa, sozinha, aproximando-se da Ponte, e entre os animais maiores um grupo inteiro deles foi repentinamente banhado em uma luz dourada e novamente eles eram animais jovens e saudáveis, cheios de vida. “Olhe e você saberá”, disse o segundo.

Outro grupo de animais que estava esperando, também se aproximou da estrada e abaixou a cabeça enquanto a pessoa se aproximava. Ao passar na frente de cada cabeça, a pessoa tocava em cada um, alguns davam carinho, outros rasgavam as orelhas carinhosamente … Os animais que haviam sido rejuvenescidos foram colocados em fila atrás e seguiram a pessoa em sua direção. Ponte Então eles cruzaram a ponte juntos.

“O que foi isso?”, Perguntou o primeiro animal. E o segundo dizia: “Aquela pessoa era uma grande amante de animais e trabalhava em sua defesa. Os animais que você viu abaixando a cabeça como sinal de respeito foram os que encontraram novas casas graças ao esforço de tais pessoas. É claro que todos esses animais atravessarão a ponte quando chegar a hora deles chegarem, que eram suas novas famílias.

Mas aqueles que viram mais velhos e depois rejuvenesceram, foram aqueles que nunca encontraram uma casa … e como não tinham família, não podiam atravessar a ponte. Quando uma pessoa que trabalhou na terra para ajudar os animais abandonados chega, eles são permitidos um último ato de resgate e amor. Para todos aqueles pobres animais para os quais eles não puderam ter famílias na terra, eles estão autorizados a acompanhá-los para que eles também possam atravessar a Ponte do Arco-Íris”.

Publicado originalmente em: Conti outra

amor, histórias

Criança passa a noite toda ao lado de seu cachorro internado. Os amigos não desistem!

Aquele garoto entendeu tudo: a certeza de que há momentos em que você tem que ser responsável e companheiro. É tão simples, mas tão complexo. É humano.

E embora ele estivesse cansado, ele não queria se separar dele.
Quando adotamos um animal de estimação, rapidamente começamos a estabelecer um relacionamento forte. Eles se sentem protegidos e entendem que agora eles são parte de uma família, então eles se tornam fiéis e nunca vão querer ficar longe daquela pessoa que os faz tão felizes.

Mas, às vezes, acontecem certas situações que podem complicar as coisas … como uma doença que requer visita ao veterinário e internação.

Foi o que aconteceu com este filhote, que ficou doente e teve que ser operado com urgência. E enquanto tudo correu como esperado e a recuperação teve que ir ao veterinário, seu irmão mais novo e melhor amigo se recusou a ir para casa e voltar no dia seguinte.

O garoto pensou que seu cachorro ficaria com medo se ele não tivesse ninguém ao seu lado e decidisse passar a noite acompanhando-o. Porém ele não resistiu à fadiga e adormeceu na cadeira perto de onde seu animal de estimação descansou… mas nada importava se fossem os dois juntos.

Pelo menos é assim que pode ser visto na imagem compartilhada nas redes sociais pela Revista Sudestada e Editorial, com uma mensagem tão acurada, que emociona:

Talvez existam pessoas que não conheçam em profundidade o que significa ser criança e ter um animal de estimação. Talvez haja alguém lá fora que não saiba o que significa ficar acordado a noite toda em um veterinário porque seu cão é operado e está com medo. Talvez haja quem nunca encontre o amor por trás dessa foto, o amor por companheiros de andanças, lealdade para com outro ser vivo que é quase parte de si mesmo. Aquele garoto entendeu tudo: a certeza de que há momentos em que você tem que ser responsável e companheiro. É tão simples, mas tão complexo. É humano.

E você conhece esse tipo de amor?

Tradução feita pela CONTI outra, do original de UPSOCL.

amor, histórias, notícias

Soldado homenageia cão-bombeiro Barney com tatuagem: ‘Quando coração transborda, transparece na pele’

O labrador Barney, do Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, pulou no Rio Urussanga em Içara, no Sul do estado, durante buscas por uma pessoa desaparecida. Após mergulhar, ele não retornou mais à superfície. O acidente ocorreu em 2 de maio. O cachorro atuava em situações de buscas e foi levado a Brumadinho (MG) para ajudar a encontrar vítimas.

“Quando o coração transborda, ele transparece na pele. Primeira sessão em homenagem ao meu parceiro, definitivamente marcado para sempre em minha vida. Meu Barney!”, escreve Rangel ao publicar a imagem em uma rede social.

O cachorro estava no batalhão em Lages, mas atuava em salvamentos em vários pontos do estado. No dia do acidente fatal, segundo os bombeiros, ele teria mergulhado para apontar o local onde estaria a vítima desparecida, mas não retornou à superfície.

Publicado originalmente em: G1.com

amor

TRATAR CACHORRO COMO SE FOSSEM PESSOAS

TRATAR CACHORRO COMO SE FOSSEM PESSOAS:

“É comum ouvir críticas a quem trata cachorro como se fosse gente. Concordo.

Cachorro é cachorro, gente é gente.
Cachorro tem que ser tratado como cachorro – com respeito à sua fidelidade, ao seu caráter. Porque cachorro não trai.
Não mente.

Cachorro te ama pelo que você é, seja lá quem você for: ministro do Supremo, senador ou indigente.

Cachorro não finge, não forja, não frauda. Cachorro só sabe o que sente.
Cachorro não faz jogo de cena. Não guarda mágoa.

Cachorro é emocionalmente inteligente. Perdoa sem que você tenha que implorar perdão.
E, uma vez perdoado, o perdão é permanente.
Por que haveríamos de tratar um ser assim como se fosse gente?

Gente a gente também não deve tratar como cachorro.
Porque não é qualquer um que merece carinho na barriga, cafuné na orelha, demonstração de amor sem motivo aparente.

Gente não morde. Mas há outras formas de se cravar o dente.
No coração, no bolso, na alma.
Por vezes com veneno de serpente.

Gente fofoca, inveja, calunia. Te beija enquanto te entrega, e te odeia, sorridente.

Cachorro obedece, respeita, se submete. Mas só gente é subserviente.
Gente ama com ressalvas, faz promessas que não cumpre.
Só cachorro (e uma ou outra mãe) é que ama incondicionalmente.

Por que tratar como cachorro – que fica ao seu lado até a morte – alguém que te abandona de repente?

Não. É totalmente sem noção e incoerente tratar gente como se fosse cachorro – e tratar cachorro como se fosse gente.”

Autor desconhecido

amor, histórias, notícias, saúde

Cães fazem a alegria da Pediatria do Hospital das Clínicas da UFMG

Projeto de terapia assistida explora laços entre humanos e animais

Três cachorros, acompanhados de suas tutoras, fizeram a alegria do setor de Pediatria do Hospital das Clínicas da UFMG, na manhã deste sábado, dia 6. Crianças, mães e profissionais do Hospital vivenciaram momentos de descontração durante a visita da equipe do projeto Amigos pra cachorro.

A ação foi idealizada em sala de aula, durante uma disciplina ministrada pela professora Maria Izabel de Azevedo, do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, da Escola de Veterinária. Ela e três alunas desenvolveram o projeto, que se baseia na Terapia Assistida por Animais.

Para a superintendente do Hospital das Clínicas, professora Andréa Maria Silveira, o laço entre seres humanos e animais traz muitos benefícios: “Sabemos, pela literatura internacional, que a interação dos humanos com os animais, que é muito antiga, traz efeitos muito benéficos para pessoas doentes, principalmente para crianças”, analisa. Entre os pontos positivos, a professora destaca que brincar com animal ajuda a tirar o foco da dor e da doença, além de diminuir a ansiedade, a melancolia e estimular o bom humor.

Segundo a professora Maria Izabel, os cães são ideais para esse tipo de terapia. Para a visita, foram selecionados animais sadios e dóceis que passaram por avaliação clínica e higienização. A TV UFMG acompanhou a atividade e mostra como foi a reação das crianças. Assista:

 

Equipe: Olívia Resende (produção e reportagem), Ravik Gomes (captação e edição de imagens).
Publicado originalmente: UFMG
amor, notícias

Cinema em São Paulo permitiu que cachorros vissem o filme “A caminho de Casa” com seus donos

Era algo lindo de se ver!! Alguns patudos ocupavam assentos e outros preferiam ficar assim mesmo na escada. Contudo, o ponto comum entre todos eles era a educação, pois sempre estiveram muito educadinhos e quietinhos.

Para aqueles que têm animais de estimação e os tratam como se fossem seus filhos, um típico cenário familiar, como a ida ao cinema, se tornou realidade graças a um cinema no Brasil, que permitiu que vários cachorros acompanhassem seus donos para assistir a um filme.

O filme era o “A caminho de Casa”, uma obra cinematográfica americana que conta a história de uma cadela chamada Bella, que percorreu mais de 600 quilômetros para se reencontrar com seu dono Lucas.

E nada melhor que ver esse filme com seu cachorro, né?

Pois então, foi justamente a pensar nesse cenário, que um cinema na cidade de São Paulo decidiu transformar o sonho de muitos em realidade e abriu suas portas para que as pessoas pudessem ver o filme na companhia de seus catioros, disponibilizando uma sala de maneira especial, para poder desenvolver toda atividade sem que ocorressem quaisquer inconvenientes.

Assim, com o chão coberto de tapetes e várias sacolas disponíveis para os patudos fazerem suas necessidades, cerca de 180 cães se deslocaram com seus donos até as salas do Frei Canenca Shopping para assistir ao filme.

O único “probleminha” encontrado era a localização da sala escolhida para o efeito. Essa estava localizada no terceiro andar e só poderia ser alcançada por elevador. Por isso vários donos tiveram que levar seus animais (muitos deles bem pesados) em seus braços.

Mas além disso… tudo correu perfeitamente. E como se costuma dizer, “Quem quer, tudo faz”.

Publicado originalmente em: Portal Animal

amor, histórias, notícias

Cão com câncer vende roupinhas para pagar sua quimioterapia

Norberto é um cachorrinho que morava nas ruas da Argentina. Seu destino mudou completamente no dia em que ele encontrou a dona de uma clínica veterinária. Ela decidiu ajudá-lo de uma forma que comoveu milhares de internautas.

Norberto chegou à clínica veterinária “Lola Polola” com uma infecção no pescoço. Noelia Tacacho, dona do lugar, e sua equipe o curaram e castraram. Após a intervenção, eles descobriram que ele tinha um tumor venéreo transmissível que só pode ser curado em sessões de quimioterapia caras. Noelia explicou que a quimioterapia custava US $ 300. Era necessário encontrar uma maneira de pagar pelo tratamento. Foi então que Norberto ficou conhecido através das redes sociais.

Ela publicou uma foto no Facebook da clínica. Nele o cachorro aparece com uma placa que diz “Eu vendo roupinhas para pagar minha quimioterapia”. A imagem teve um sucesso inesperado. Foi compartilhado por mais de 1.600 pessoas em apenas dois dias.

Enquanto a ação de Noelia moveu muitos internautas, muitos outros consideraram uma mera forma de promoção da clínica veterinária. A proprietária se defendeu dizendo que só queria que as pessoas comprassem os produtos da loja para financiar o tratamento de Norberto e poder salvá-lo.

Publicado originalmente em: Histórias com valor

adoção, amor, histórias, Sem categoria

Conheça a história da Tina, Maria Cristina de Alcântara Machado

E mais uma vez temos uma linda história, que na verdade podemos chamar de linda homenagem que nossa seguidora Regina Alvim nos enviou.

Imagem: Regina Alves

A história que vamos contar é da Tina, seu nome carinhoso, porque seu verdadeiro nome é Maria Cristina de Alcântara Machado, sim um nome de Lady.

A Tina foi encontrada, em um sábado de 2001. Uma vizinha estava espiando alguma coisa no meio do mato, e mesmo atrasada a Regina foi lá ajudar e ver o que estava acontecendo. Elas se depararam como uma cena triste, Tina estava dentro do bueiro muito ferida, pois tinha sido atropelada e deixada para morrer.

Regina levou a cachorrinha imediatamente para sua casa, mesmo com o seu marido não querendo que ela se responsabilizasse pelo caso. Mas ela não pensou duas vezes!!

A cachorrinha tinha diversos ferimentos na pele, cheia de carrapatos e um ferimento que praticamente podia-se ver o coração dela batendo.

Regina conversou com Tina e pediu que reagisse que ela ia fazer todo possível para não desistir de viver e ficar curada. Nesse mesmo dia, Tina começou a se alimentar, e foi reagindo bem aos medicamentos e cuidados.

Tina se recuperou totalmente! Ela viveu sendo a sombra de Regina, e o grande amor de sua vida. Foi muito feliz!

Em 2015, Tina adoeceu! Começou a apresentar problemas na pata que tinha sido atropelada, e foi diagnosticado câncer nos pulmões, metástase de um câncer nos ossos.

Regina ficou devastada, achando que ia morrer, mas se dedicou dia e noite para poder ajudar Tina a não sofrer tanto e conseguir ter qualidade de vida.

Tina sofreu muito nesses últimos dias de sua vida, mas do seu lado teve muito amor e apoio, pode descansar em paz.

Regina agradece muito por ter compartilhado sua vida com Tina, que foi quem a resgatou todos os dias de uma depressão e trouxe muita alegria para sua vida!

Imagem: Regina Alvim

Cada dia que passa, nós que gostamos de bichos, nos deparamos com essas histórias lindas e podemos ter mais certeza que essa ligação e amor com animais é maravilhosa!

E se você também tem alguma história do seu pet que queria compartilhar, mande para o Debate Animal!

Imagem: Regina Alvim