curiosidades, gatos, notícias

EMPREGO DOS SONHOS: EMPRESA PROCURA CANDIDATOS PARA ACARICIAR GATOS O DIA INTEIRO

Imagine a seguinte situação: você fazendo carinho em vários gatinhos ao longo de um dia inteiro e ainda por cima, ganhando remuneração por isso. Seria um sonho, não? Pois você sabia que uma empresa resolveu transformar esse desejo de todo(a) gateiro(a) em realidade? Just Cats Veterinary, empresa localizada em Dublin, na Irlanda, é voltada para o cuidado com gatos, e abriu um processo seletivo para que pessoas apaixonadas por bichanos possam trabalhar em tempo integral acariciando gatinhos com necessidades especiais

“O candidato ideal deve ter mãos suaves capazes de acariciar e acariciar gatos por longos períodos de tempo. Ele precisa falar suavemente e ser capaz de sussurrar para acalmar os nervos de alguns de nossos pacientes hospitalizados. A capacidade de compreender diferentes tipos de rosnados é uma vantagem adicional distinta em ajudá-lo a proteger esta posição com a gente”, informou a oferta. 

E você, toparia um emprego desses?

Fonte: https://blog.catclub.com.br

curiosidades, notícias

Segredo do amor entre cachorros e humanos está no olhar

     O segredo do afeto de um cão está em seus olhos, disseram pesquisadores após estudarem como o contato visual aumenta o hormônio do amor – a oxitocina – tanto em cães quanto em humanos.

     O estudo, realizado por pesquisadores japoneses e publicado na revista Science, sugere que os humanos e os cães evoluíram juntos ao longo dos séculos para conviver como fazem hoje.

     A chave foi o contato visual mútuo, que produz altos níveis de oxitocina, um hormônio que aumenta a confiança e a conexão emocional.

     Estudos anteriores mostraram que quando as mães olham nos olhos de seus bebês a oxitocina é produzida e, com isso, corre um fluxo de amor e sentimentos intensos de proteção.

     É devido ao mesmo mecanismo que os cães evoluíram de lobos selvagens até se tornarem animais de estimação e amigos dos seres humanos, explicaram os pesquisadores.

   “Os cães são mais habilidosos do que os lobos e os chimpanzés, que são, respectivamente os parentes mais próximos dos cães e dos seres humanos, em sua comunicação com os comportamentos sociais humanos”, mostrou o estudo.

     Os cientistas estudaram os cães e seus donos e documentaram todas as interações, incluindo palavras, carícias e olhares, durante 30 minutos.

     Quando mediram os níveis de oxitocina logo depois, perceberam que “o aumento do contato visual entre cães e seus donos levava ao aumento da oxitocina no cérebro das duas espécies”, disse o estudo.

     O mesmo experimento realizado com os lobos não deu o mesmo resultado que em cães. Como eles evoluíram a partir dos lobos há centenas de anos, o estudo mostra que os caninos que foram domesticados e se adaptaram à companhia de seus amigos bípedes o fizeram graças ao domínio do poder da visão, um elemento-chave para a socialização humana.

     Os pesquisadores, então, realizaram outro experimento. Pulverizaram oxitocina diretamente na face dos cães e os colocaram em uma sala com seus donos e outros estranhos.

     Neste caso, “as cadelas responderam aumentando a quantidade de tempo que olharam seus donos”. Não foi possível descobrir porque não foi possível observar o mesmo efeito em cães machos.

     Mas, curiosamente, “depois de 30 minutos, os níveis de oxitocina aumentaram nos donos dos cães que haviam sido pulverizados, o que dá mais evidências de que a relação entre uma pessoa e seu cão é mediada pela oxitocina”.

     É sabido que o cão é o melhor amigo do homem. Mas o estudo lança nova luz sobre este fenômeno.

     “Quanto mais conhecemos o processo como os cães acabaram se envolvendo com as pessoas, mais aprendemos sobre as origens da civilização”, ressaltou o pesquisador.

1 – Melhor amigo

size_960_16_9_dog

    Leais, carinhosos, divertidos. Estas são algumas das qualidades atribuídas aos cães. Presentes em diversas casas ao redor do mundo, estes animais também chamam a atenção da Ciência. A seguir, reunimos algumas das curiosidades já descobertas sobre o melhor amigo do homem.

2 – Ciúmes

     Os cães também sentem ciúmes. Pelo menos, é o que aponta um estudo realizado. Num experimento com 36 animais, ela constatou que cachorros procuraram seus donos duas vezes mais quando eles estavam com cães de pelúcia do que quando interagiam com outro brinquedo ou com um livro.

3. Cores

    Por contarem com apenas dois tipos de célula para distinguir as cores, os cães enxergam menos colorações que os humanos. Na prática, é como se os cachorros enxergassem como pessoas daltônicas.

4- Palavras

     Testes mostraram que alguns tipos de cachorro são capazes de compreender até 150 palavras. Segundo o estudo, a inteligência de um animal desse tipo é equivalente a de uma pessoa com dois anos e meio de idade.

5 – Canil

     Passar um tempo no canil pode ser divertido para alguns cachorros. A descoberta consta em estudo. Para chegar a essa conclusão, uma equipe de veterinários ingleses analisou os parâmetros de stress relativos a 29 cães submetidos a essa situação.

6 – Saúde

     Está provado: ter cachorro faz bem à saúde. Num estudo, pessoas acima de 60 anos que caminhavam com cães passaram a andar 28% mais rapidamente do que aquelas que andavam com outras pessoas. Redução da pressão arterial e melhora da saúde mental foram outros benefícios notados.

7 – Relacionamento

     Quanto mais um cão é atencioso a um adulto, mais esse adulto se importará com ele. Porém, o mesmo não se repete entre crianças – que adoram os bichinhos de qualquer jeito. Essa curiosa relação foi relatada em um estudo, que envolveu a análise de 60 famílias com cachorro.

8 – Personalidade

     Um estudo com 600 universitários, apontou diferenças de personalidade entre donos de cães e donos de gatos. Os primeiros seriam mais extrovertidos e menos inteligentes do que os últimos.

9 – Longevidade

     Cães mais dóceis vivem mais tempo, segundo um trabalho realizado por biólogos. Para o estudo, foram analisadas 56 raças diferentes. De acordo com os cientistas, cães mais agressivos crescem mais rapidamente, gastam mais energia e morrem mais cedo.

10 – Câncer

     Cães podem ser capazes de detectar o câncer de próstata. A constatação é de um estudo produzido pela Associação Americana de Urologia. A habilidade foi comprovada num experimento no qual os animais identificaram amostras de urina de homens com a doença com taxa de 98% de acerto.

11 – Autismo

     Conviver com cães é bom para crianças com autismo, segundo estudo. Após entrevistar 70 pais com filhos autistas, a cientista constatou que, em 94% dos casos, a presença de um cachorro ajudou no tratamento da doença.

12 – Culpa

     Num experimento realizado com 14 cães e seus donos, ficou provado que a cara de culpado que cachorros fazem após serem acusados de alguma coisa é só uma reação à bronca. No teste, tanto cães que cumpriram quanto outros que descumpriram uma regra imposta fizeram a clássica expressão após terem sido acusados pelos cientistas de infringir a norma.

13 – Voz

     Quando alguém fala, um cachorro pode entender. Foi o que provou um experimento realizado com 24 cães na  Alemanha. Na experiência, os animais conseguiram localizar comida oculta a partir da direção para a qual um cientista projetasse sua voz (o que não aconteceu quando cães usaram só o faro para isso).

14 – Emoções

    Um artigo publicado por cientistas húngaros, pós experimentos envolvendo 11 cães e 22 pessoas mostrou que os cérebros de cachorros e humanos reagem da mesma forma diante de sons como risadas, choros e vozes. Isso pode explicar a capacidade dos animais de se sintonizarem às nossas emoções.

15 – Obesidade

     Chega a 53% o número de cães acima do peso nos EUA. O número é da Associação para prevenção de obesidade em animais domésticos. Assim como entre humanos, quilinhos a mais podem agravar diabetes e outras doenças que acometem os animais.

16 – Clonagem

     Winnie, da raça Dachshund, é o primeiro cachorro do Reino Unido a ter sido clonado. Realizada por uma  empresa sul-coreana,  a clonagem custou mais de 100 mil dólares. Células de Winnie foram introduzidas em outra Dachshund, geraram um embrião e depois foram implantadas numa barriga de aluguel canina.

17 – Lã

     Em sua pesquisa de mestrado na USP, desenvolveu uma técnica que permite que o pelo resultante da tosa de poodles seja usado para compor um tecido muito parecido com a lã. No futuro, a novidade pode ser usada para fazer roupas para cachorros.

18 – Diversidade

    Em um estudo, constataram que a variação do formato do cérebro entre 106 raças de cães era tão grande quanto entre diferentes espécies de carnívoras. Isso seria reflexo da diversidade dos cães.

19 – Bussóla

    Um estudo mostrou que cães se alinham em função do campo magnético da Terra para fazer cocô e xixi. No levantamento, foram analisados cerca de 7 mil dados de 70 raças diferentes fornecidos por 37 donos de cães.

20 – Rabo

     Cachorros reagem de maneira diferente em função do lado que outros cães balançam seus rabos. Um estudo com 43 animais realizado, provou isso. No experimento, cachorros que viram vídeos de cães movendo a cauda para o lado esquerdo ficaram mais estressados do que outros – que foram expostos a imagens de cães balançando o rabo para o lado direito.

Fonte: Exame
curiosidades, notícias

Como o cavalo se tornou o único animal de um dedo só

     Você tem 20 dedos ao todo, cinco em cada membro. A baleia, coitada, nenhum. Vacas têm oito, dois em cada pata (antes que você se pergunte, eles atendem pelo nome de cascos, e sim, são dedos do ponto de vista anatômico).

     Já os equídeos – que correspondem aos cavalos e seus parentes próximos, zebras e burros – são os únicos animais monodáctilos do mundo. Ou seja, faz pelo menos 5 milhões de anos que eles só têm um dedo, que na verdade é um casco rígido. E mais nada.

     Como isso aconteceu?

     Quem descobriu foi uma autêntica predestinada: Brianna McHorse, doutoranda da Universidade Harvard. Em um artigo científico, ela conta que um dos ancestrais mais antigos dos cavalos contemporâneos (o Hyracotherium, que viveu há 55 milhões de anos) tinha três dedos nas patas de trás e quatro nas da frente – e apenas 60 centímetros de comprimento, o tamanho de um cachorro médio.

     Para fazer a ponte entre o Hyracotherium e os animais de 1,80 m de hoje em dia, ela usou fósseis de 12 equídeos intermediários – que surgiram e foram extintos em diferentes pontos da pré-história.

     Colocando esses esqueletos na ordem certa, é possível ver como a anatomia das patas de cada um deles reagiu a pressões evolutivas – como um aumento de peso ou uma mudança de habitat –, e entender porque eventualmente se tornou vantajoso para esses bichos desfilar um dedo só por aí.

     Primeiro, McHorse e seus colegas usaram programas de computador para simular, com base nas leis da física, como era a distribuição de peso no corpo de cada um desses cavalos pré-históricos de acordo com o número de dedos que eles realmente tinham. Depois, adicionaram ou tiraram dígitos para ver se, do ponto de vista anatômico, eles teriam se dado melhor ou pior com patas um pouco diferentes.

cavalo

Fonte:  revista superinteressante

 

 

curiosidades, notícias

Enquanto você não amar um animal, sua alma estará adormecida

    Enquanto você não descobrir o que implica amar um animal, não terá conseguido compreender o que é a nobreza e o despertar de emoções que podem curar a alma. Dar amor a um cão, a um gato ou a qualquer ser vivo por menor, mais inquieto e singular que seja, é se enriquecer e descobrir que eles podem ter sentimentos tão valiosos quanto os nossos.

    Todos já lemos inúmeras vezes sobre os benefícios de ter um animal de estimação em casa. Agora, o que é mais interessante ainda é descobrir que tudo isso tem um claro impacto com relação à economia na saúde pública. Segundo diversas pesquisas, os animais nos poupam diversas visitas ao médico, o que ajuda a saúde a economizar cerca de 3 milhões de euros por ano em países como Alemanha e Áustria.

     Amar um animal é ver-se refletido no seu olhar que espera tudo de nós, que convida a um carinho, que arranca um sorriso e emoções nobres. A única coisa que ele pede em troca é amor.

     Cada um de nós poderia relatar com grande carinho esse momento em que alguém muito especial chegou em casa e a deixou do avesso. Do mesmo jeito que com nossos corações. Alguma coisa desperta em nosso interior quando adotamos um cão, quando resgatamos um gatinho da rua, faminto, sujo e precisando de afeto.

     É como se uma luz lá do fundo se acendesse, como se um mecanismo peculiar movesse as engrenagens da mudança para nos ajudar também a sermos pessoas melhores.

O animal “remédio” e as terapias milagrosas

    Começaremos contando o caso de Claudia, uma paciente com Alzheimer que havia deixado de sentir interesse pelo mundo. Nenhuma atividade que realizava na sua residência produzia mudança no seu estado, exceto uma: quando os técnicos de animação sociocultural traziam 4 cadelinhas treinadas para este tipo de terapia.

    Claudia tinha preferência por uma das cadelinhas. Só de vê-la o seu olhar se acendia e a sua energia despertava para se conectar com força à realidade. Nunca falhava. Segundo depois, esta paciente pegava este animal nos braços, o beijava e lhe contava inúmeras coisas. Graças a esta interação foi possível diminuir a administração de diversos remédios orientados para a resposta física, cognitiva e emocional. Os animais são verdadeiros remédios para as pessoas.

    Segundo um estudo publicado na revista “Frontiers in Psychology” este “despertar” pode estar relacionado à ativação da ocitocina, conhecida como o hormônio do amor, do afeto e do carinho. Quando seus níveis aumentam, surge uma série de disparadores psicológicos e psicofisiológicos que favorecem que as pessoas estejam mais presentes e, por sua vez, que sejam mais receptivas a tudo que implique aspectos emocionais (abraços, carícias, palavras carinhosas…).

Olhar dos nossos animais

    Às vezes um animal pode até mesmo estabelecer uma melhor conexão emocional com o olhar do que uma pessoa.

     Um animal tem uma capacidade de conexão emocional realmente incrível, seja através de um simples gesto ou de um olhar. De fato, sabe-se que o contato visual entre um cão e o seu dono é tão genuíno e sincero que, graças a isto, o vínculo entre ambos se fortalece.

    Existem muitos tipos de amor, mas o que se pode sentir por um animal é uma coisa excepcional que tira o melhor de nós mesmos e que, por sua vez, nos ajuda a sermos melhores pessoas.

     Segundo uma pesquisa interessante publicada na revista “Science“, os cães reconhecem o sorriso da pessoa, mostram empatia e inclusive sabem interpretar nossas emoções só de nos olhar nos olhos. Tudo isso seria resultado de tantos anos de evolução em comum, nos quais criou-se um vínculo excepcional que vai além de raças ou tamanhos. Emerge diretamente dos genes e do coração.

Nos transformamos naquilo que vemos no olhar dos nossos animais de estimação

    Dizem que o olhar do nosso cão é o melhor espelho para ver o reflexo das nossas próprias almas. É uma verdade tão verdadeira que merece a nossa atenção.

     Se algum dos animais que criamos se esquiva e o seu olhar tem o reflexo do medo, com certeza existe alguma coisa que não anda bem. O temor se nutre de um impacto emocional negativo.

     Agora, poucas coisas podem ser tão terapêuticas quanto chegar em casa desanimado e com as lágrimas queimando como grãos de areia nos olhos para, de repente, nos vermos refletidos no olhar do nosso próprio cão ou do nosso próprio gato. É como se nos abraçassem e nos dissessem que “vai dar tudo certo”.

     Para nossos animais somos a coisa mais bela do seu mundo e isto não se refere apenas à necessidade de alimento. Eles também precisam receber afeto.

     O olhar de um animal serve de espelho para fomentar nossa “autoaceitação”. Seus olhos sinceros nos oferecem outra perspectiva com a qual relativizar os problemas, ansiedades e o estresse. É suficiente abraçá-los e logo o mundo volta ao seu equilíbrio.

     Essa dose maravilhosa de ocitocina que nossos animais de estimação nos dão nos permite reconectar-nos com a realidade, conjugar o afeto com o sonho para vencer as nuvens cotidianas com mais segurança. Porque todos estamos “um pouco adormecidos” até termos descoberto o que é amar um animal.

cachorro-768x498

Fonte: http://www.bemmaismulher.com
curiosidades, notícias

Bebês que convivem com cães são mais fortes e saudáveis

Novo estudo mostra que ter um cachorro em casa pode fazer bem para a saúde do recém-nascido, afastando problemas como alergias e obesidade

     A relação entre as crianças e os bichos de estimação é recheada de afeto e cumplicidade. Basta dar uma navegada nas redes sociais para ver os inúmeros vídeos que provam tamanha interação e fofura. Porém, ainda há muitas famílias que têm ou querem adotar um pet mas ficam com receio em relação aos prejuízos à saúde das crianças e se questionam: “Será que meu filho vai ficar doente por causa dos vírus e bactérias que os pets carregam?” Segundo estudos recentes, o que acontece é exatamente o contrário.

        Uma pesquisa da Universidade de Aberta, no Canadá, mostrou que os cães não só reforçam o sistema imunológico dos bebês, diminuindo o risco de desenvolverem doenças infantis alérgicas, como também os protegem da obesidade. Os cientistas analisaram dados de 700 bebês, sendo que 46% deles conviveram com pelo menos um pet (a maioria, cachorro) desde a barriga da mãe (nos últimos seis meses de gestação) até os três meses após o nascimento.

     Ao analisar o exame de fezes dos recém-nascidos, os pesquisadores chegaram à conclusão de que o grupo (que teve contato com o cachorro desde a barriga da mãe) apresentava, em média, duas vezes mais duas bactérias: Ruminococcus e Oscillospira, em comparação à turma que não tinha um mascote. Essas duas bactérias estão ligadas à uma chance menor das crianças apresentarem complicações alérgicas e ganho acelerado de peso.

    Estudos já haviam comprovado que o convívio dos pequenos com pets é bom para evitar dermatites e asma e, também, deixar os bebês mais ativos e afastar a ansiedade. “A relação afetiva entre animais e crianças sempre se mostrou muito positiva. Defendo esse convívio porque estimula o companheirismo, a amizade e o cuidado”, diz o pediatra Carlos Eduardo Correa, conhecido como Cacá (SP).

     E não se preocupe caso o seu filho ganhe um beijinho em forma de lambida no rosto. “É praticamente impossível achar que o cachorro não vai lamber a mão ou alguma parte do corpo da criança. Por isso, o mais importante é manter o pet sempre saudável para evitar qualquer problema de saúde que possa passar para o bebê, como a sarna, por exemplo”, observa Cacá.

Fonte: http://revistacrescer.globo.com
curiosidades

Curiosidades Felinas

* A audição dos gatos é bem mais sensível que dos homens e cães, possuem os ouvidos afunilados que podem amplificar os sons como um megafone.

 

* Andam na ponta dos dedos.

* São muito limpos e passam cerca de 30% de sua vida se limpando. Quando se lavam, perdem quase tanto liquido, quanto perdem urina.

* O ronronar nem sempre é por alegria e prazer. Alguns gatos ronronam alto quando estão com medo ou com dor.

* Possuem 30 dentes, enquanto os cães possuem 42. Os dentes de leite são substituídos pelos permanentes por volta dos 7 meses de idade.

* A expectativa de vida de um gato bem cuidado é de mais ou menos 16 anos.

* Em proporção ao corpo, os gatos são os mamíferos que possuem os maiores olhos.

* Usam a cauda para se equilibrarem.

* A mania de se esfregarem nas pessoas acontece porque possuem glândulas odoríferas na cabeça, que ao se esfregarem liberam secreções (limpas) que deixam seu odor impregnado para marcação de território. O cheiro não é detectado por nós humanos, somente por animais.

* Podem dormir por 16 horas, divididas em vários períodos.

* São capazes de pular 5 vezes a sua altura.

* A velocidade, visão e habilidade de um gato colocam-no entre os maiores caçadores da natureza.

* Enxerga 6 vezes melhor que um humano a noite.

* A pelagem com 3 cores diferentes é sempre de fêmeas.

* Os bigodes de um gato servem para orienta-los, nunca devem ser cortados.

* A temperatura normal de um gato é de 38 graus.

* Quando assustado, todo o pelo do corpo se eriça. Quando pronto para o ataque, o pelo se eriça apenas numa estreita faixa sobre a coluna vertebral.

Curiosidades geográficas:

* Na China, estátuas de gatos possuem a simbologia de expulsar maus espíritos.

* Na França, simboliza sorte e fortuna.

* Na Grécia, simboliza a feminilidade e prazer sexual.

* Na Índia, possuem livre acesso às residências porque trazem a prosperidade aos lares.

* Na Indonésia tem a superstição que ao aspergir gotas de água sobre o gato atrai a chuva.

* No Japão o talismã Maneki-Neko é um símbolo de boa sorte.

* As lendas dizem que Maomé foi salvo de uma picada de cobra por um gato.

* Os gatos em muitos locais do mundo foram introduzidos para reduzir a população de ratos.

* Antigos egípcios tinham uma adoração, como se gatos fossem Deuses. Matar um gato, era crime punido com a morte.

 

Fonte: Revista pulo do gato
Imagem: Mundo dos animais