amor, histórias

Diretor de cinema escreve adeus doloroso para seu cão de 17 anos e comove toda a Internet

Dizer adeus a um cachorro é uma das coisas mais difíceis e dolorosas que os humanos têm que enfrentar. Depois de anos lhes dando amor incondicional, dizer um adeus permanente é sempre muito complicado. E nada nos pode preparar para isso.

O diretor de cinema, Kevin Smith, decidiu escrever um post em sua página no Facebook, compartilhando a dor de se despedir de seu velho cão, Mulder. O patudo estava com Kevin há 17 anos e agora estava morrendo em seus braços.

O homem colocou uma foto dele abraçando Mulder em seus momentos finais, acompanhada de um texto bem emocionante. O homem abriu seu coração, lembrando que nossos cães não ficarão connosco para sempre e temos que aproveitar, ao máximo, todos os momentos com eles.

Kevin escreveu:

“Ele foi embora. RIP Mulder, meu amigo. Obrigado por 17 anos de pura alegria e carinho. Foi preciso um cachorro como você para me fazer uma pessoa melhor. Se você é dono de um cachorro, vá abraçar o seu cão um pouco mais apertado hoje à noite. Se você não é dono de um cachorro, pense em se tornar um. É tudo Amor. Boa noite, doce Mulder. Descanse em paz!”

A despedida dolorosa deixou milhares de pessoas em lágrimas. Não se esqueça de apreciar cada minuto com seus animais de estimação. Você é a vida inteira deles… Compartilhe essa história emocionante com seus amigos e familiares!

Publicado originalmente: Portal do Animal

#debateanimal #loucosporbichos #amoranimal #loucosporcachorros #amor

amor, curiosidades, gatos, histórias, notícias, saúde

Gatoterapia: 5 benefícios de viver com um gato

Gatos são seres realmente especiais e que os humanos muitas vezes não compreendem.

Amam ser independentes, mas também adoram os mimos. Muitas vezes parecem estar de mal com o mundo, mas em outras são tão carinhosos que chegam a incomodar.

Na verdade esse comportamento contraditório e confuso dos gatos é muito parecido com o dos humanos. Por esse motivo é que técnicas como a gatoterapia, começaram a ganhar força no terreno da saúde emocional.

Mas o que é a Gatoterapia?

É um tratamento para pessoas com problemas de ansiedade, estresse e depressão. Além de criar uma melhora na qualidade de vida ela cria uma conexão muito especial entre o felino e seu dono. De acordo com vários estudos, as pessoas que sofrem de algum tipo de cardiopatia mostram uma evolução progressiva no quadro após o convívio com um felino.

Para pessoas que vivem sozinhas é altamente recomendadas terem um felino como companhia, principalmente no caso de pessoas com idade avançada. Pessoas que sofrem com algum tipo de demência, como o Alzheimer, podem ter lembranças ao fazer carinho nos gatos, retardando a degeneração que sofrem.

5 benefícios da Gatoterapia

Melhora os sintomas da depressão e do estresse

Gatos provocam uma sensível melhora em pessoas que sofrem de transtornos de estresse, ansiedade e depressão. O ronronar de um gatinho cria um ambiente acolhedor, estimula a concentração e é muito relaxante.

Representa uma companhia

Para pessoas que vivem sozinhas o gato é a melhor opção. Os felinos são animais independentes quando querem, porém são muito carinhosos.

Lembre-se de que é preciso oferecer alimentação adequada, ficar atento às vacinas e cortar as unhas dos gatos (a não ser que você queira que ele rasgue todos os seus móveis e as suas cortinas.

Ajuda no tratamento do Alzheimer, do autismo e do TDAH

Como já mencionamos anteriormente, os gatos são usados como terapia complementar em casos de autismo, Alzheimer ou TDAH. Embora cientificamente não existam pesquisas que apoiem esse uso, são conhecidos milhares de casos nos quais a presença dos gatos melhorou a qualidade de vida dos seus donos.

Uma oportunidade de delegar responsabilidade às crianças

Possuir um gato em casa trás grandes responsabilidade para as crianças porque elas vão precisar cuidar, dar comida e educar o animal, que como sabemos não é uma tarefa fácil. Se você tem ou quer ter um felino é importante conversar com as crianças sobre o tema, para que elas tenham consciência da importância das tarefas que devem ser realizadas.

Deixe bem claro para a criança que um gato NÃO é um brinquedo, que não é certo bater, jogar no chão ou segurar o animal pelo rabo.

Não exigem muitos cuidados

Ao contrário de outros animais, gatos não exigem muitos cuidados além de vacinas e uma alimentação correta. São seres muito limpos por natureza e quando aprendem a utilizar a caixa de areia, vão utilizá-la sempre. Eles mesmos se banham e não exigem constante atenção.

Lembre-se de que um gato saudável representa um ser humano saudável.

Publicado originalmente: Revista bem mais mulher

amor, histórias

Por que os cães vivem menos que as pessoas??

Por que os cães vivem menos que as pessoas??

Aqui está a resposta (por uma criança de 6 anos):

Sendo um veterinário, fui chamado para examinar um cão irlandês de 13 anos de idade chamado Belker.

A família do cão, Ron, sua esposa Lisa e seu pequeno Shane, eram muito ligados a Belker e esperavam por um milagre.

Examinei Belker e descobri que ele estava morrendo de câncer. Eu disse à família que não poderia fazer nada por Belker, e me ofereci para realizar o procedimento de eutanásia em sua casa.

No dia seguinte, eu senti a sensação familiar na minha garganta quando Belker foi cercado pela família. Shane parecia tão calmo, acariciando o cão pela última vez, e eu me perguntava se ele entendia o que estava acontecendo. Em poucos minutos, Belker caiu pacificamente dormindo para nunca mais acordar.

O garotinho parecia aceitar a transição de Belker sem dificuldade. Sentamo-nos por um momento nos perguntando por que do infeliz fato de que a vida dos cães é mais curta do que a dos seres humanos.
Shane, que tinha estado escutando atentamente, disse:” Eu sei por quê.”

O que ele disse depois me espantou: Eu nunca tinha escutado uma explicação mais reconfortante que esta. Este momento mudou minha maneira de ver a vida.
Ele disse:” a gente vêm ao mundo para aprender a viver uma boa vida, como amar aos outros o tempo todo e ser boa pessoa, né?”

” Bem, como os cães já nascem sabendo como fazer tudo isso, eles não tem que ficar por tanto tempo como nós.”
O moral da história é:

Se um cão fosse seu professor, você aprenderia coisas como:

* Quando teus entes queridos chegarem em casa, sempre corra para cumprimentá-los;

* Nunca deixe passar uma oportunidade de ir passear;

* Permita que a experiência do ar fresco e do vento;

* Corra, salte e brinque diariamente;

* Melhore a sua atenção e deixe as pessoas te tocarem;

* Evite “morder” quando apenas um “rosnado” seria suficiente;

* Em dias quentes, deite-se de costas sobre a grama;

E nunca se esqueça: ” Quando alguém tiver um mal dia, fique em silêncio, sente-se próximo e suavemente faça-o sentir que está aí…
EIS O SEGREDO DA FELICIDADE QUE OS CÃES TODOS OS DIAS NOS ENSINARAM.

34181941_256419244925916_862122720832258048_n

Imagem: São Francisco Pet Shop
amor, histórias

Amor antes mesmo de nascer

Esse é o Manny, da nossa seguidora Tatiana Araújo Galves. É um amor enorme com a barriga do próximo irmãozinho o João!

O irmãozinho nem nasceu e já conhece o que é um amor verdadeiro! Imagina depois que nascer o quanto amor ainda vai receber!

É muito amor mesmo! O mais puro e sincero que existe!

😍😍😍😍😍

Mande para o debate animal a sua foto e história também!

#debateanimal #loucosporbichos #amoranimal #amorpuro

amor, histórias, Sem categoria

Conheça a história do Kadu

E vamos contar mais uma história de amor com esses nossos bichinhos fantásticos.

A história de hoje é do Kadu, um cachorrinho muito amado e que ganha sempre até festinha de aniversário.

Nossa seguidora Taís Martins quem quis dividir com a gente tanto amor.

” Eu vi uma cadelinha que estava na rua amamentando, cheia de filhotes. Eu sempre fui louca por bichos e naquele momento eu estava me sentindo sozinha, então fiquei doida e quis pegar um dos filhotinhos para mim.

Quando vi o Kadu foi amor a primeira vista, era o mais levado de todos os filhotes. Eu o escolhi e trouxe para casa.

Hoje ele é o príncipe da casa! E quem manda aqui! Ganhou espaço na cama, no sofá e em tudo, mas principalmente em nossos corações.

Todos os anos fazemos sua festinha de aniversário, que ele adora!

Tanto eu como meu esposo, temos o Kadu como um filho enviado para nos trazer paz e amor, foi nossa melhor escolha com toda a certeza do mundo! “

A Taís contou o quanto ama seu bichinho, se você quiser contar sua história e do seu pet, mande para o debate animal e teremos muito prazer em publicar!

#debateanimal #loucosporbichos #amoranimal #contesuahistoria #amor #muitoamor

31958978_1756410904424431_6324234567632814080_n

Família canina e humana reunida no último aniversário do Kadu

Imagem: Taís Martins

31961455_1756410934424428_2526143233424097280_n

Imagem: Taís Martins

31959542_1756411091091079_5066158176127156224_n

Kadu bebezinho com a sua dona

Imagem: Taís Martins

31957604_1756410971091091_1064958942297194496_n

Imagem: Taís Martins

 

 

amor, histórias, notícias, Sem categoria

Servidor público constrói cadeiras de rodas de graça para cães que não conseguem andar, em Goiânia

Após custear algumas cadeiras sozinho, hoje ele mantém uma fábrica improvisada que conta com doações de voluntários. Emocionado, ele diz que após fazer a primeira, ‘não dava para parar’.

Um servidor público de Goiânia constrói, gratuitamente, cadeiras de rodas para cães que não conseguem andar por alguma deficiência. Segundo André Gondim, a ideia inicial era apenas fazer o equipamento para o animal de uma amiga, mas o projeto cresceu de tal forma que “não dava para parar”. A onda de solidariedade se espalhou e depois de custear sozinho várias cadeiras, hoje ele consegue fazê-las graças a ajuda de voluntários.

No mercado, cadeiras de rodas para cachorros são vendidas a partir de R$ 150. André tirava do próprio bolso cerca de R$ 50 para criar a sua própria. No começo, foi um pouco difícil. Porém, após ver muitos vídeos na internet, ele acabou pegando o jeito.

“A medida que eu fui fazendo, eu fui adaptando o melhor jeito, como é que funcionava com cada animalzinho, até chegar no modelo que está hoje que é esse projeto aqui”, conta.

Ele fez a primeira cadeira de rodas para uma amiga. O que era para ser apenas uma peça se transformou em algo bem maior. Tanto que ele decidiu montar uma fábrica improvisada dentro de casa, no quarto que era da filha, já casada.

“A ideia era fazer aquela cadeirinha, só que a emoção de ver aquele animalzinho andando foi tão grande e quando chegou no final do mês eu tinha feito 31. Daí eu entendei que que não dava para parar”, afirma.

Servidor público constrói cadeiras de rodas de graça para cães que não conseguem andar (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

 (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Emocionado, ele esbanja modéstia e diz que seu ato é muito pequeno diante da atitude de pessoas que adotam cachorros com algum tipo de deficiência.

“Uma pessoa quer resgata um animal de rua deficiente é um gesto sem tamanho, Acho que o que eu faço é muito pouco perto do trabalho que eles tem”, afirma.

Clientes felizes e agradecidos

Quem recebe as cadeirinhas de rodas para os seus animais mostram um misto de felicidade e emoção. A professora de música Maria Eli de Castro não segurou as lágrimas quando viu seu bichinho podendo andar novamente.

“O trabalho do André é maravilhoso, ele faz muita gente feliz. A gente quando tem um cachorro assim acha que não vai dar conta, que não adianta ter um cachorro assim, é preferível sacrificar. E não é nada disso”, conta.

Como forma de ajudar no projeto, ela doou várias rodinhas que servirão para construiu novas cadeiras e permitir que outros cães também possam caminhar.

Para Fabrícia Sette, presidente da ONG Sete Vidas, que cuida de animais abandonados, o projeto é uma forma de mudar a vida dos bichos.

“Quando ele [cachorro] vê a cadeia é como se as pernas tivessem voltado, ele não tem limites. São as pernas dele de novo”, salienta.

Vários animais deficientes já foram beneficiados pelo projeto (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

(Foto: TV Anhanguera/Reprodução)
Fonte matéria: g1 Goiás
amor, curiosidades, histórias, notícias

Conheça a história de Hachiko, o cão que esperou seu dono por 10 anos em uma estação de trem. Virou monumento e filme!

A Verdadeira História de Hachiko

Chu-ken Hachiko (o cachorro fiel Hachiko) nasceu em Odate, na província de Akita, no Japão em novembro de 1923. Em 1924, Hachiko foi enviado a casa de seu futuro proprietário, o Dr. Eisaburo Ueno, um professor do Departamento Agrícola da Universidade de Tóquio. A história dá conta de que o professor ansiava por ter um Akita há anos, e que tão logo recebeu seu almejado cãozinho, deu-lhe o de Hachi, ao que depois passou a chamá-lo carinhosamente pelo diminutivo, Hachiko. Foi uma espécie de ‘amor à primeira vista’, pois, desde então, se tornariam amigos inseparáveis!

O professor Ueno morava em Shibuya, subúrbio de Tóquio, perto da estação de trem. Como fazia do trem seu meio de transporte diário até o local de trabalho, já era parte integrante da rotina de Hachiko acompanhar seu dono todas as manhãs. Caminhavam juntos o inteiro percurso que ia de casa à estação de Shibuya. Hachiko parecia ter um relógio interno, e sempre às 15 horas retornava à estação para encontrar o professor, que desembarcava do trem das 16 horas, para acompanhá-lo no percurso de volta a casa.

Em 21 de Maio de 1925, o professor Ueno sofreu um AVC, durante uma reunião do corpo docente na faculdade e morreu. Hachiko, que na época tinha pouco menos de dois anos de idade. No horário previsto, esperava seu dono pacientemente na estação. Naquele dia a espera durou até a madrugada.

Na noite do velório, Hachiko, que estava no jardim, quebrou as portas de vidro da casa e fez o seu caminho para a sala onde o corpo foi colocado, e passou a noite deitado ao lado de seu mestre, recusando-se a ceder. Outro relato diz que como de costume, quando chegou a hora de colocar vários objetos particularmente amados pelo falecido no caixão com o corpo, Hachiko pulou dentro do mesmo e tentou resistir a todas as tentativas de removê-lo.

Depois que o professor morreu a Senhora Ueno deu Hachiko para alguns parentes do que morava em Asakusa, no leste de Tóquio. Mas ele fugiu várias vezes e voltou para a casa em Shibuya, um ano se passou e ele ainda não tinha se acostumado à nova casa. Foi dado ao ex-jardineiro da família que conhecia Hachi desde que ele era um filhote. Mas Hachiko continuava a fugir, aparecendo frequentemente em sua antiga casa. Depois de certo tempo, aparentemente Hachiko se deu conta de que o professor Ueno não morava mais ali.

Todos os dias à estação de Shibuya para esperar seu dono voltar do trabalho, da mesma forma como sempre fazia. Procurava a figura de seu dono entre os passageiros, saindo somente quando as dores da fome o obrigavam. E ele fez isso dia após dia, ano após ano, em meio aos apressados passageiros. Estes começaram passaram então a trazer petiscos e comida para aliviar sua vigília.

Em 1929, Hachiko contraiu um caso grave de sarna, que quase o matou. Devido aos anos passados nas ruas, ele estava magro e com feridas das brigas com outros cães. Uma de suas orelhas já não se levantava mais, e ele já estava com uma aparência miserável, não parecendo mais com a criatura orgulhosa e forte que tinha sido uma vez.

Um dos fiéis alunos de Ueno viu o cachorro na estação e o seguiu até a residência dos Kobayashi, onde aprendeu a história da vida de Hachiko. Coincidentemente o aluno era um pesquisador da raça Akita, e logo após seu encontro com o cão, publicou um censo de Akitas no Japão. Na época haviam apenas 30 Akitas puro-sangue restantes no país, incluindo Hachiko da estação de Shibuya. O antigo aluno do Professor Ueno retornou frequentemente para visitar o cachorro e durante muitos anos publicou diversos artigos sobre a marcante lealdade de Hachiko.

Sua história foi enviada para o Asahi Shinbun, um dos principais jornais do país, que foi publicada em setembro de 1932. O escritor tinha interesse em Hachiko, e prontamente enviou fotografias e detalhes sobre ele para uma revista especializada em cães japoneses. Uma foto de Hachiko tinha também aparecido em uma enciclopédia sobre cães, publicada no exterior. No entanto, quando um grande jornal nacional assumiu a história de Hachiko, todo o povo japonês soube sobre ele e se tornou uma espécie de celebridade, uma sensação nacional. Sua devoção à memória de seu mestre impressionou o povo japonês e se tornou modelo de dedicação à memória da família. Pais e professores usavam Hachiko como exemplo para educar crianças.

Em 21 de Abril de 1934, uma estátua de bronze de Hachiko, esculpida pelo renomado escultor Teru Ando, foi erguida em frente ao portão de bilheteria da estação de Shibuya, com um poema gravado em um cartaz intitulado “Linhas para um cão leal”. A cerimônia de inauguração foi uma grande ocasião, com a participação do neto do professor Ueno e uma multidão de pessoas.

Hachiko envelheceu, tornou-se muito fraco e sofria de problemas no coração (heartworms). Na madrugada de 8 de março de 1935, com idade de 11 anos e 4 meses, ele deu seu último suspiro no mesmo lugar onde por anos a fio esperou pacientemente por seu dono. A duração total de seu tempo de espera foi de nove anos e dez meses. A morte de Hachiko estampou as primeiras páginas dos principais jornais japoneses, e muitas pessoas ficaram inconsoláveis com a notícia. Um dia de luto foi declarado.

Seus ossos foram enterrados na sepultura do professor Ueno, no Cemitério Aoyama, Minami-Aoyama, Minato-ku, Tóquio. Sua pele foi empalhado – para conservar-lhe as formas e submetido à substâncias que o isentam de decomposição, e o resultado deste maravilhoso processo de conservação está agora em exibição no Museu Nacional da Ciência do Japão em Ueno. Alguns autores dizem que Hachiko, esta no Museu de Artes de Tóquio.

Durante a 2ª Guerra Mundial, para aplicar no desenvolvimento de material bélico, todas as estátuas foram confiscadas e derretidas, e, infelizmente, entre elas estava a de Hachiko.

Em 1948, formou-se a “The Society For Recreating The Hachiko Statue” entidade organizada em prol da recriação da estátua de Hachiko. Tekeshi Ando, o filho de Teru Ando foi contratado para esculpir uma nova estátua. A réplica foi reintegrada no mesmo lugar da estátua original, em uma cerimônia realizada no dia 15 de agosto.

A estação de Odate, em 1964, recebeu a estátua de um grupo de Akitas. Anos mais tarde, em 1988, também uma réplica da estátua de Hachiko foi colocada próxima a estação. A história de Hachiko atravessa anos, passa de pai para filho, sendo até mesmo ensinada nas escolas japonesas – no início do século para estimular lealdade ao governo, e atualmente, para exemplificar e instilar o respeito e a lealdade aos anciãos.

Na atualidade, viajantes que passam pela estação de Shibuya podem comprar presentes e recordações do seu cão favorito na Loja localizada no Memorial de Hachiko chamada “Shibuya No Shippo” ou “Tail of Shibuya”. Um mosaico colorido de Akitas cobre a parede perto da estação.

Todos os anos, no dia 8 de março. Ocorre uma cerimônia solene na estação de trem de Shibuya, em Tóquio. São centenas de amantes de cães que se reúnem em homenagem à lealdade e devoção de Hachiko. Ao nascimento de uma criança, a família recebe uma estatueta de Akita como desejo de saúde, felicidade e vida longa. O objeto também é considerado um amuleto de boa sorte. Quando há alguém doente, amigos dão ao enfermo esta estatueta, desejando pronta recuperação.

Por causa desse zelo, o Akita se tornou Patrimônio Nacional do povo japonês, tendo sido proibida sua exportação. Se algum proprietário não tiver condições financeiras de manter seu cão, o governo japonês assume sua guarda.

hachiko
Imagem: contioutra

A última foto da Hachiko. Aquele cão que esperou o dono morto na estação por quase 10 anos. Exemplo de lealdade que falta a muitos seres humanos. A foto foi tirada em 8 de março de 1935. Hachiko tinha 11 anos.

733749_584916888186351_934076295_n

Imagem: contioutra

Um dos nossos seguidores Nelson Gomes Pires, esteve no Japão de férias e nos mandou a foto do monumento do Hachiko.

IMG-20180418-WA0012

Imagem: Nelson Gomes Pires

Além de monumento no Japão, essa história virou inspiração para o filme “ Sempre ao seu lado”, com o ator Richard Gere.

tumblr_lrkwovdaBX1qgqm0mo1_500

Imagem: contioutra

E esse é o nosso seguidor Nelson, que nos enviou a foto!

_IMG-20180418-WA0011

Imagem: Nelson Gomes Pires

Se você tem alguma história ou foto legal do mundo animal que queira mandar para a gente, teremos o prazer de postar!!!!!

Fonte: chikovssinistro.blogspot.com.br
amor, histórias

Resgate de um ser humano

Os seus olhos encontraram os meus, enquanto ela caminhava pelo corredor olhando apreensivo para dentro dos canis.

Imediatamente, senti sua necessidade e sabia que tinha de ajudá-la. Abanei minha cauda, não tão entusiasticamente para não assustá-la.

Quando ela parou em frente ao meu canil, tampei sua visão para que não visse o que eu tinha feito, no canto de trás.Não queria que ela soubesse que ninguém ainda havia me levado para um passeio lá fora.Às vezes, os funcionários do abrigo estão muito ocupados e não gostaria que ela pensasse mal deles.

Enquanto ela lia as informações a meu respeito, no cartão pendurado na porta do canil, eu desejava que ela não sentisse pena de mim, por causa do meu passado.Só tenho o futuro pela frente e quero fazer diferença na vida de alguém.

Ela se ajoelhou e mandou beijinhos para mim. Encostei meus ombros e minha cabeça na grade, para confortá-la. As pontas de seus dedos acariciaram meu pescoço; ela estava ansiosa por companhia.Uma lágrima escorreu pelo seu rosto e, então, elevei uma de minhas patas para assegurá-la de que tudo estaria bem.

Logo, a porta de meu canil se abriu e o seu sorriso era tão brilhante que, imediatamente, pulei em seus braços.

Prometi mante-la em segurança. Prometi estar sempre ao seu lado. Prometi fazer todo o possível, para ver aquele sorriso radiante e o brilho em seus olhos.

Tive muita sorte dela ter vindo até o meu corredor. Há ainda tantas pessoas por aí, que nunca caminharam pelos corredores… Tantas para serem salvas… Pelo menos, pude salvar uma.Hoje, resgatei um ser humano.

Autor desconhecido