amor, histórias

Resgate de um ser humano

Os seus olhos encontraram os meus, enquanto ela caminhava pelo corredor olhando apreensivo para dentro dos canis.

Imediatamente, senti sua necessidade e sabia que tinha de ajudá-la. Abanei minha cauda, não tão entusiasticamente para não assustá-la.

Quando ela parou em frente ao meu canil, tampei sua visão para que não visse o que eu tinha feito, no canto de trás.Não queria que ela soubesse que ninguém ainda havia me levado para um passeio lá fora.Às vezes, os funcionários do abrigo estão muito ocupados e não gostaria que ela pensasse mal deles.

Enquanto ela lia as informações a meu respeito, no cartão pendurado na porta do canil, eu desejava que ela não sentisse pena de mim, por causa do meu passado.Só tenho o futuro pela frente e quero fazer diferença na vida de alguém.

Ela se ajoelhou e mandou beijinhos para mim. Encostei meus ombros e minha cabeça na grade, para confortá-la. As pontas de seus dedos acariciaram meu pescoço; ela estava ansiosa por companhia.Uma lágrima escorreu pelo seu rosto e, então, elevei uma de minhas patas para assegurá-la de que tudo estaria bem.

Logo, a porta de meu canil se abriu e o seu sorriso era tão brilhante que, imediatamente, pulei em seus braços.

Prometi mante-la em segurança. Prometi estar sempre ao seu lado. Prometi fazer todo o possível, para ver aquele sorriso radiante e o brilho em seus olhos.

Tive muita sorte dela ter vindo até o meu corredor. Há ainda tantas pessoas por aí, que nunca caminharam pelos corredores… Tantas para serem salvas… Pelo menos, pude salvar uma.Hoje, resgatei um ser humano.

Autor desconhecido

amor, histórias, notícias

Prefeitura de SP faz campanha para que moradores de rua saibam que os abrigos agora aceitam seus animais

A prefeitura de SP está com uma campanha para divulgar aos moradores de rua que agora é permitido entrar com seus animais nos abrigos.

Foi feito esse vídeo para divulgação de campanha. Por sinal você vai se emocionar!

E para a novidade chegar aos moradores de rua, eles começaram a pintar como divulgação embaixo dos viadutos e paredes aonde são suas moradias. Fizeram essa campanha, pois moradores de rua não tem acesso a mídias e usaram esses locais para a idéia chegar a eles.

A Prefeitura de São Paulo construiu CTAs com canis para que quem está em situação de rua possa dormir em uma cama, usar o chuveiro e ter alimentação e cursos profissionalizantes sem precisar se separar daquele que está sempre ao seu lado.

Até que enfim os abrigos estão permitindo os animais de irem juntos com os seus donos, uma iniciativa linda, pois para os moradores de rua que já não tem nada, seus companheiros pet são tudo que eles tem.

 

histórias

Ex viciado em recuperação adota cadela da lista da eutanásia, mas ela nem olha para ele, então o improvável acontece.

Problemas de confiança, quem não os tem? Devido às várias desilusões e situações traumáticas no decorrer de nossas vidas, tanto nós como os animais acabamos por nos tornar desconfiados. Não é qualquer pessoas que se aproxima de nós que consegue ficar imediatamente amigo.

São precisas muitas provas de confiança, amizade, companheirismo e amor para que a confiança seja restaurada. Ninguém disse que confiar era fácil. É um processo demorado e que exige muito esforço de ambas as partes.

PJ é um ex viciado em recuperação. Ele decidiu dar um novo rumo em sua vida e para isso ele precisava de um pequeno empurrão. Foi então que ele notou que se sentia demasiado sozinho e que sua vida era muito monótona. O homem decidiu adotar um patudinho e prosseguir viagem. Só que esse não era um canino qualquer. Ele esteve no corredor da Eutanásia por duas vezes.

Seu problemas de confiança eram demasiados. Ele nem sequer conseguia olhar para PJ.

Com o tempo o animal começou a se soltar e a confiar cada vez mais em seu salvador, até ambos se tornaram inseparáveis.

Agora PJ e o peludinho saem regularmente para suas aventuras.

Seja Verão ou Inverno, faça chuva, neve, vento ou solessa dupla não fica mais deprimida em casa. Ao invés, eles aproveitam o tempo juntos fazendo aquilo que mais apreciam: Longas caminhadas.

“Eu sinto que existe camaradagem entre mim e minha cadelinha”, disse PJ.

“Ela me ensinou algo muito importante: Viver o momento e especialmente perdoar!”, diz PJ. “Ela é minha melhor amiga”.

“Apesar de tudo pelo que ela passou, ela permitiu que eu entrasse em sua vida” afirma o dono orgulhoso.

PJ encoraja as pessoas a adotarem patudinhos e essas são suas palavras: “Todo o cachorro merece viver uma vida selvagem”. Todos eles merecem alguém que cuide deles, que lhes dê tudo aquilo que necessitam e que lhes proporcione também um pouco de aventura.

Ele tem inspirado pessoas a ficarem sóbrias e a manterem o contato com a natureza. Esse é totalmente um caso: “Quem resgatou quem?” diz PJ.

Fonte: brasilonline

curiosidades, histórias

Após ser recusado por cinco donos, cachorro surdo aprende linguagem de sinais

Com apenas dez meses, um cachorro da raça Staffordshire está chamando a atenção da web nesta quinta (8). Isto porque o pequeno Ivor é surdo e foi abandonado por seus últimos cinco donos, mas ele ganhou uma nova esperança.

A ONG Royal Society for the Prevention of Cruelty to Animals (RSPCA), que atua no bem-estar dos animais na Inglaterra e no País de Gales, encontrou uma nova dona para o cachorrinho – e fez com que Ivor aprendesse a linguagem de sinais para poder se comunicar. Mesmo sem audição, o cão agora entende frases como “venha aqui” e “fique parado.”

Além disso, a criadora Ellie também conseguiu fazer com que Ivoir saiba quando possui uma pessoa parada na porta diante da casa dela. Em entrevista ao Telegraph, ela conta que o cachorro parece muito feliz desde que foi adotado:

— Nós mantemos a mente dele ocupada com jogos e incentivamos que ele se exercite. Ivor é um belo exemplo do que um cachorro pode fazer se o dermos uma nova chance. Existem muitos outros como ele e que estão esperando por uma família amada.

Uma fanpage foi criada há poucos dias mostrando a rotina de Ivor.

https://www.facebook.com/IvorDeafDog/

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=567789416927161&id=563527514020018

Fonte: https://www.facebook.com/IvorDeafDog/

amor, histórias

Conheça a história do Pereba

 

E lá vamos nós, contarmos mais uma história linda, de amor e dedicação que salvou uma vida!

A nossa seguidora Gabi Mota foi quem contou a sua história e do Pereba!

” Era um dia frio, estava fazendo meu treinamento de corrida, quando avistei o Pereba, deitado em um cantinho na rua. Estava todo machucado, com o pelo falho e cheio de problemas de pele. Parei naquele mesmo momento e comecei a conversar com ele, que veio todo dengoso para o meu lado.

Eu não poderia parar o treino naquele momento, mas o Pereba me seguiu por uns 2 km. Fique intrigada, pois ele não me conhecia e mesmo assim me seguiu.

Em um momento percebi que ele não me seguiu mais, mas fiquei o caminho todo pensando em como poderia ajuda-lo, mesmo estando passando por dificuldade e já tinha alguns animais comigo.

Resolvi voltar, e ele estava lá no mesmo lugar. Ele me seguiu novamente por mais 2 km, até chegar na minha casa. Logo coloquei-o para dentro, ele estava faminto. Comeu, bebeu água e deitou-se em uma caixa e lá passou a noite.

No dia seguinte, por um descuido, com o portão aberto ele acabou fugindo. Sumiu! Pensei que nunca mais iria voltar, pois meu bairro é grande e ele não conhecia a o local. Procurei por um dia todo e não o encontrei.

Após 2 dias, ele apareceu desesperado. Uivava, latia e estava muito feliz!

Primeiramente eu cortei todo o pouco pelo que lhe restava, dei um banho e iniciei o tratamento necessário para recuperar sua pele.

Foram muitos dias de luta, mas vencemos! Agora o Pereba é membro da minha família e me segue em todos os lugares, somos apaixonados um pelo outro!

Enfim, o Pereba ganhou um lar, uma mãe e muito amor! Isso é a prova de que o amor transforma. Não foi eu quem o escolheu, ele me escolheu e nunca mais saberá o que é abandono! “

Essa história realmente mexe com quem ama e faz o bem pelos animais. Existem uma infinidade de pessoas como a Gabi, que acolhem e transformam a vida de animais que sofrem muito ao serem abandonados.

Na verdade não foi só o Pereba a ser salvo ou transformado, mas a Gabi também, pois um animal salvo, é um animal que te dará tanto amor e alegria, que com certeza será sua salvação também!

Acredito que muitas pessoas tem um história linda dessas com um bicho de estimação! Se você tem uma, mande e conte para gente aqui no debate animal!!!!!

27906253_189692818447024_1131329186_o

Pereba quando foi encontrado (Imagem: Gabi Mota)

27906304_189692838447022_1878143489_o

Pereba em casa! (Imagem: Gabi Mota)

27951269_189698485113124_1800062274_oPereba hoje felizão!! (Imagem: Gabi Mota)

27990308_189694125113560_1140820273_o

Pereba  e sua dona Gabi (Imagem: Gabi Mota)

Adote uma vida!!!!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

amor, histórias, saúde

CÃO DESNUTRIDO SALVA VIDA DE GAROTA COM ANOREXIA

cão garota anorexia
Foto – Reprodução/catersnewsagency
O amor pode fazer milagres! Seja entre duas pessoas, famílias ou até entre cão e dono. E foi graças ao amor por seu cãozinho, que Sophie Hewlett, uma mulher de 24 anos, conseguiu superar uma das maiores adversidades de sua vida: a luta contra a anorexia, um grave distúrbio alimentar.
A garota note-americana tinha uma alimentação normal até que começou a pular refeições por conta do estresse que sofria na faculdade. Ela ficava tão nervosa, que mal percebia que não estava se alimentando regularmente, além de comer cada vez em menor quantidade.

De acordo com informações do jornal britânico Daily Mail, a garota disse que sua família e amigos começaram a perceber sua perda de peso e tentar ajuda-la. Ao contrario deles, Sophie não enxergava problema nenhum em si mesma, recusando ajuda.

Tudo isso mudou quando ela comprou uma cachorrinha da raça dachshund, no qual ela deu o nome de Eevee. Infelizmente, o bichinho não saiu do pet shop completamente saudável.

Já que ele era um cachorro ‘miniatura’ , estava muito desnutrida e doente. Para curar seu novo amigo, a garota precisava alimenta-la pelo menos a cada 20 minutos, e foi isso o que a fez rever seus conceitos.

A garota começou a perceber que não era normal comer tão pouco. Depois disso, ela passou a notar que seus ossos estavam cada vez mais salientes e procurou um tratamento.

cão garota anorexia

Foto – Reprodução/catersnewsagency

“Ver minha cachorrinha se recuperar depois de estar tão doente me ajudou a colocar a minha vida de volta nos trilhos”, confessou.

Os médicos chegaram a dizer que se Sophie demorasse mais para buscar ajuda ela poderia até morrer. Ela precisou ser internada e passar por um tratamento intensivo para que se recuperasse.

A família deu todo o apoio necessário, inclusive levando a cachorrinha Eevee para visitar a dona durante a recuperação. O tratamento foi lento e nada fácil para Shophie, mas com a ajuda de Eevee a garota já tem forças para brincar com a cadelinha e até comer panquecas.

cão garota anorexia

Foto – Reprodução/catersnewsagency

‘Ela sempre me fazia rir. Isso me fez pensar que se Eevee comia até aranhas, eu também poderia comer o jantar”, disse bem humorada.

 

Fonte: viamulher.uol.com.br / Por Thamirys Teixeira

 

amor, doação, histórias, saúde, superação

Vaquinha para ajudar no tratamento do Luau

Vocês lembram do Luau, nosso amigo que foi encontrado na rua com Leishmaniose?

Para reelembrar a história dele: https://debateanimal.com/2017/12/21/leishimaniose-uma-historia-de-amor-com-final-feliz/

Ele está super bem e respondendo ao tratamento, mas por ser um tratamento muito caro, sua dona Mara, resolveu pedir ajuda para que ele possa continuar sua luta contra essa doença horrível!

” Tinha um cão no meio do caminho. Parei e acolhi. Ele mal tinha forças para comer ou beber. Exames mostraram Leishmaniose. Por ignorância, eu quase o eutanasiei. Por sorte, descobri que existe tratamento. E hoje o cão que estava no meu caminho está aqui, fazendo parte da família, ganhou o nome de Luau e está lutando contra a doença. Se você lutar junto com a gente, a vitória será certa. ” (Mara Pallota)

Quem puder ajudar, segue o link da “Vakinha”

http://www.vakinha.com.br/vaquinha/luau-contra-a-leishmaniose

Sobre a campanha:

Muita gente ainda não sabe que Leishmaniose Visceral Canina tem tratamento e os cães vítimas da doença não precisam mais ser eutanasiados, desde que façam o tratamento correto e estejam documentados junto aos órgãos competentes.

O tratamento não é simples nem barato. Por isso Luau pede um help aqui. E para quem quiser conhecer a história desde o início, segue o Insta @chupaleish e vamos juntos com a gente vencer as parasitas.

Custos básicos e aproximados com o tratamento: – antibióticos. R$ 1800,00; – Milteforan: R$ 900,00; – Vacinas: R$ 2000,00; – exames: R$ 500,00; – consultas: R$ 480,00; – outros medicamentos: R$ 350,00; – suplementos: R$ 450,00;-  coleira anti-mosquito: R$ 380,00

Vamos ajudar o Luau a vencer essa luta contra a Leishmaniose!!!!

#compartilhe

img-20171219-wa0043-1537147623.jpg

Evolução da doença (Imagem: Mara Pallotta/Arquivo pessoal)
adoção, amor, histórias

Conheça a história de Juca e Bolota – Adoção + amor e seus benefícios!

20180115_10413228327072.png

Ter um animal de estimação já é mais do que comprovado que traz diversos benefícios, tanto para saúde física, como emocional.

A História que vamos contar hoje é a prova de como é importante e gratificante adotar um animalzinho, que não só fará bem, como vai transformar a sua vida para melhor!

” Juca foi adotado há 2 anos, a mãe dele foi encontrada com os filhotes e resgatado. Encontrei-o em uma feirinha super cheia.

Os irmãos do Juca eram muito lindos (apelidados de bombons, por causa dos seus pelos marrons), mas quando cheguei só tinha sobrado o Juca por lá. Aí nem pensamos e o trouxemos para casa .

O Juca veio cheio de traumas, tinha medo de tudo (ainda tem muito medo de varias coisas), mas com muito carinho e amor, começou a entender que ali era o seu lar.

Ano passado ele nos deu o maior susto das nossas vidas quando fugiu enquanto viajávamos pra fora do país, mas nosso amor e a nossa conexão era tão grande que mesmo longe conseguimos encontrá-lo e levá-lo de volta pra nossa casa.

Foi aí que nossa vida também mudou, começamos a fazer resgates e ajudar alguns cachorros de rua, tudo com o intuito de que mais pessoas sentissem o amor imenso que existe entre um cachorro adotado e sua família.

Num desses resgates, nos ligaram pedindo ajuda pra uma filhotinha que estava amarrada a uma árvore no nosso bairro. Na mesma hora nos disponibilizamos a ajudar, mas não encontramos hospedagem pra ela ficar. Então decidimos que dormiria na nossa casa por uma noite e foi o suficiente pra ver que o Juca havia adotado aquela filhotinha como sua irmã. E foi assim que a Bolota também passou a fazer parte da nossa família.

Com tudo isso, pudemos perceber que o amor é multiplicado quando temos dois filhotes adotados e não dividido, e o amor só aumenta a cada dia! “

Está história foi enviada pela Arine, a dona do Juca e da Bolota!

Quando adota um cão, dificilmente vai se sentir sozinho. A presença deles é notante. E se você habituá-lo a ser sua companhia, pode ter certeza que ele ficará muito feliz e agradecido.

Ter um bichinho aumenta a segurança e autoestima do seu dono, ajudando assim em doenças como depressão, ansiedade e ajuda a melhorar as relações sociais do dono.

Ajudam a diminuir a pressão sanguínea, sedentarismo e a ter hábitos mais saudáveis. É um fato que adotar de cães e gatos traz muito amor para o lar. Animais abandonados geralmente possuem muito apego com quem os adota, porque se sentem gratos pelo cuidado.

Mas lembre-se adotar é um ato de amor, só adote se você estará disposto a cuidar do seu animalzinho até o fim da vida dele! Ele precisa de cuidados como qualquer ser vivo e de muito amor, se não está disposto a isto, não adote para abandonar novamente!

E se você quiser acompanhar a história do Juca e  da Bolota, é só segui-los no Instagram (https://www.instagram.com/ju_cao/)

Fotos: https://www.instagram.com/ju_cao/       https://www.instagram.com/carolinaspinaarts/

20180115_104156-1762577384.png

 

amor, curiosidades, histórias, notícias, Sem categoria

Cães acompanham dono ao hospital 

Acompanharam fielmente o amigo socorrido pelo SAMU.

Ali permaneceram.

Não pensavam em nada, preocupados e atentos observavam a reação do dono e a prestação de socorro.

Fiéis e amorosos, como devem ser os verdadeiros amigos.

Somente depois que o dono se movimentou e demonstrou que estava seguro, os cães abanaram o rabo e demonstraram uma sincera alegria.

Ficaram a noite toda acordados, cuidando do dono.

Via: Maurício Galvão 

amor, histórias, superação

Leishimaniose: Uma história de amor com final feliz

   Sabe aquelas histórias que te inspiram? Ainda mais nos dias de hoje onde as pessoas e animais são descartados ou esquecidos, como se não fossem uma alma com sentimento e vida?

   Eu me deparei sem querer com a história do Luau, um cãozinho que foi encontrado muito doente na rua, com nada menos que uma doença terrível, a Leishmaniose. A Mara foi quem o encontrou e resolveu se dedicar a dar amor e lutar pela cura desse “menino”, mesmo passando por todas dificuldades do tratamento que essa doença exige.

   A Leishmaniose é uma doença contagiosa causado por um protozoário, que é transmitida  somente pela picada de um mosquito. Os cães são apenas hospedeiros, não podem transmitir a doença para humanos. Os sinais mais comuns nos cães são: perda de peso e pelos, feridas e descamação da pele que não cicatrizam, crescimento anormal das unhas, entre outros.

   No Brasil o tratamento da Leishmaniose ainda é polêmico. Os ministérios da Saúde e da Agricultura determinam que animais infectados pela doença, devam ser sacrificados; o que causa revolta nos proprietários, pois os animais de estimação são considerados membros da família. Porém, o tratamento não é proibido e pode ser sintomático, com medicações veterinárias de uso oral.

   Para vocês conhecerem melhor a história do Luau, a Mara nós enviou um texto lindo.

” Era uma segunda-feira quente. Dez da manhã, 27 graus. Estradinha a caminho do trabalho e pá: algo ali no meio do caminho. Não era uma pedra no meio do caminho. Era um cão. Mas…cão?
Desviei, parei, desci do carro: ele estava inerte, entregue. Fiz uma foto me sentindo mal: não me sinto a vontade em registrar desgraças alheias. Mas fiz, subi no carro e fui pro trabalho que era a 100 metros dali.
Por coincidência do destino (e sorte do dog), eu trabalho num hotel/daycare/clínica vet. Em menos de 10 minutos estávamos lá eu e a vet — luva, jaleco, toalha pra envolvê-lo, muita curiosidade e corações a mil.
Peguei! Toalha ferveu na hora — ele estava num asfalto quente, entregue, só esperando o juízo final.
Levamos ele pra dentro da clínica, demos um conforto, mas a auto-estima era zero — sem resposta a estímulos, apenas um ser com uma casca na pele que já não tinha pelos.
Mal enxergava, mal ouvia, mal comia, não conseguia ter forças para ficar em pé e beber água. 
COMO ESTÁ O CÃO?
Colhemos sangue e mandamos para análise. Deixamos o dog confortável num local no hotel – com caminha, água a vontade, ração. Ele tremia muito. Estava muito magro, ferido – sentindo dor de alma.
Dia seguinte, resultados dos exames. Um pouquinho de anemia e nada demais gritante no resto, a não ser uma temida zoonose – a tal Leishmaniose Visceral Canina.
Aquilo veio como o soco no meu estômago. Tudo o que sempre li sobre essa doença era de que deve-se notificar o Centro de Controle de Zoonoses da região e o animal eutanasiado. Chorei bastante, pedi ajuda para amigos, li o que pude a respeito para não ser injusta nem com o cão, nem com o meio ambiente e nem com a lei.
E tudo me levava a entender que a eutanásia seria a única coisa a ser feita. Na noite do dia 11/10 ele ainda estava muito mal – comia na minha mão, com muito sacrifício. Conversei uns 40 minutos com ele, pedindo para ele reagir, sentir meu cheiro e entender que não estava sozinho. Mas ao mesmo tempo eu estava querendo que ele entendesse e já me perdoasse — o dia seguinte seria o Dia D.
Uma profissional médica veterinária, que auxiliou nos primeiros cuidados com ele, afirmou que havia tratamento e que eutanásia não seria a solução. Mas eu não estava confortável pois inclusive estava me achando uma fora-da-lei em sonegar a informação de uma zoonose importante — com a cabeça a mil, fui até o local onde ele estava, já decidida — obvio que perdi a coragem quando ele, com todo o sacrifício ficou em pé, tentou me olhar e me ofereceu um tímido abanar de rabo pelado pela doença.
Ainda enquanto buscava informações sobre o que fazer, um vet amigo meu citou sobre um médico veterinário que seria uma pessoa referência que poderia me ajudar na decisão sobre o assunto.
Fui em busca do profissional — o prof Marcio Moreira, que atende no Hospital Veterinário Anhembi-Morumbi. Em 48 horas eu estava levando o cão para ser examinado no hospital da faculdade e sendo orientada — agora com base para eu poder decidir o que fazer. 
ALTERNATIVAS
Tratar — tratamento de alto custo e trabalhoso. Nos primeiros 90 dias, muitos medicamentos, muita dedicação e um cão monitorado pelo resto da vida.
Eutanasiar — uma possibilidade, dado que o cão que vivia na rua e não era meu.
Ele me deixou a vontade para decidir – coisa que decidi ali mesmo no final da consulta. Tratar, pois nada é por acaso. Ele apareceu na minha frente. Essa situação era minha e de mais ninguém.
ARREGAÇANDO AS MANGAS
E com a ajuda e compreensão de marido, amigos queridos e meus cães — tenho 3 — iniciamos a maratona. Estamos na metade dela. Ele ganhou o nome de Luau, ganhou peso, ganhou seus pelos de volta e está respondendo bem ao tratamento. 
Tomamos todas as precauções, estamos levando o tratamento muito a sério, sem falhar um dia, um horário. E ficando com a emoção a flor da pele nos dias ruins que ele tem por conta das medicações. 
De alguma forma essa situação caiu no meu colo para eu aprender alguma coisa com isso. Já aprendi sobre tratamento de Leishmaniose. Já aprendi que quem tem amigos tem tudo. Continuo aprendendo sobre as coisas do amor. E tenho certeza que nessa jornada eu vou aprender ainda mais. Porque vida é vida – e enquanto ela existe, a gente não pode desistir. “
img-20171219-wa0043-1537147623.jpgEvolução da doença (Imagem: Mara Pallotta/Arquivo pessoal)
   Não é uma história linda e emocionante? Quisera todas as pessoas ou pelo menos poucas, que sejam, pensarem dessa forma, arregaçarem as mangas e lutar pela vida de outra vida, sem medir esforços?
   A incidência de Leishmaniose cresce a cada dia, e a cada dia, pessoas abandonam seu animais, por falta de informação, comprometimento e amor verdadeiro pelo seus cães. Sei o quanto é difícil e caro o tratamento, mas se você pode fazer, faça!
 img-20171219-wa00361695473258.jpg
Luau Feliz da vida! (Imagem: Mara Pallotta/Arquivo pessoal)
   Se você quiser acompanhar a história do Luau, siga-o no Instagram, lá você vai saber como ele está reagindo o tratamento e como está sua vida feliz!
   E caso queria saber mais sobre a Leishmaniose, temos uma matéria completa aqui no debate animal (https://debateanimal.com/2017/09/13/leishmaniose-canina)
   Para finalizar gostaria de agradecer a Mara Lucia Pallotta, hoje a dona dedicada do Luau, que foi incrível dividindo essa história de muito amor e garra! Estarei torcendo para que o Luau consiga se manter forte, feliz e saudável!
img-20171220-wa0017765991784.jpg
Mara e Luau – Prova do que o amor e a dedicação são capazes! Só olhar a carinha de felicidade dele! 🙂 (Imagem: Mara Pallotta/Arquivo pessoal)