notícias

Cães podem sentir se uma pessoa é má, a ciência confirma isso.

Os cães podem não parecer muito inteligentes quando começam a perseguir suas próprias caudas, mas, de muitas maneiras, são criaturas com um grande potencial mental. Em particular, eles são muito conscientes socialmente, tanto com humanos quanto com outros cães. Muitos estudos mostraram que eles podem sentir emoções humanas, como diferenciar rostos felizes e irritados e até mesmo ficar com ciúmes. No entanto, parece que eles também podem sentir se uma pessoa é ou não é confiável. E tenha certeza: uma vez que um cão percebe algo ruim no ar, ele dá sinais e você precisa estar atento(a).

Você já deve ter percebido que os cães entendem o significado quando um ser humano aponta para algo, ou seja, se o proprietário de um cão aponta para a localização de uma bola, vara ou comida, o animal irá correr e explorar o lugar ao qual a pessoa aponta. Mas, o que você talvez não saiba é que as últimas pesquisas mostram que eles são rápidos em descobrir se esses gestos podem ser enganosos. Em um estudo publicado na revista Animal Cognition, uma equipe liderada por Akiko Takaoka da Universidade de Kyoto no Japão apresentou 34 cães e três rodadas de apontar.

Na primeira rodada, os pesquisadores apontaram para um recipiente cheio de comida que estava escondido. Na segunda rodada, eles apontaram para um recipiente vazio, também escondido. Na terceira, apontaram novamente para aquele que estava com comida, embora os cães não tenham respondido a esta última indicação. Isso sugere, de acordo com Takaoka, que os cães poderiam usar sua experiência com o pesquisador para avaliar se eles são confiáveis. Após essas rodadas, um novo membro do estudo apontou para o mesmo lugar do terceiro experimento e os animais seguiram essa nova pessoa com interesse.

Takaoka diz que ficou surpreso ao ver que os cães “desvalorizaram a confiabilidade de um ser humano” tão rapidamente. “Eles têm uma inteligência social mais sofisticada do que pensamos, que evoluiu seletivamente em sua longa história ao lado dos seres humanos”. O próximo passo, de acordo com o especialista, seria testar outras espécies estreitamente relacionadas, como os lobos. Isso revelaria os “efeitos profundos da domesticação” na inteligência social dos cães. Assim, o estudo destacou que os cães são atraídos para coisas previsíveis.

Assim que os eventos de suas vidas se tornam irregulares, eles procurarão coisas alternativas para fazer. E se, de forma constante, eles não sabem o que vai acontecer, eles podem ficar estressados, agressivos ou temerosos. “Cães cujos proprietários são inconsistentes com eles geralmente têm transtornos comportamentais”. Esta última parte do experimento pode ser explicada pelo fascínio dos cães com algo novo: “Os cães são quase um banco de dados de gestos”, disse Bradshaw da Universidade de Bristol, “é por isso que o segundo pesquisador foi mais confiável porque o primeiro os decepcionou e eles lembraram”.

Essa descoberta não é surpresa para uma mulher chamada Victoria Standen. Ela possui um collie, considerada uma das raças mais inteligentes. Quando você faz uma caminhada, o collie sempre fica em uma interseção e espera para ver qual caminho você vai levar. “Muitas vezes eu o ensinei o caminho de volta para casa e ele, quando começava a caminhar por um local diferente do ensinado, olhava para mim como se perguntasse se aquele era realmente o trajeto certo”, disse Standen. Além disso, se um estranho provou ser pouco confiável (ou uma fonte de alimento), seu cachorro provavelmente se desconfiar dele. “Ficou bem claro que os cães são mais espertos do que se acreditava anteriormente”, confirmou.

Os cães são muito sensíveis ao comportamento humano, mas têm menos preconceitos. Eles vivem no presente, não refletem sobre o passado de forma abstrata, nem planejam o futuro. E quando eles encontrarem uma situação, eles reagirão de acordo com a situação em vez de pensar profundamente sobre o que isso implica. “Então, é claro que os cães não ouvem atentamente quando fazemos um gesto como o do estudo mostrado, mas eles avaliam a informação que lhes damos com base na ajuda que eles conseguem alcançar seus objetivos”, disse Brian Hare, pesquisador envolvido no teste.

“Por exemplo, muitos cachorros de família podem ignorar os gestos que seus donos fazem quando eles apontam incorretamente e usam a memória para cheirar e encontrar o que estava escondido”, acrescentou. Em conclusão, se seu cão é geralmente amigável e, com uma determinada pessoa, se comporta diferente, é bom prestar atenção ao que ele está tentando dizer. Eles, na maioria das vezes, têm certeza se aquela pessoa é ou não confiável. Observe os sinais!

Publicado originalmente: Revista saber viver mais.

curiosidades, histórias, notícias

ESCOLA INFANTIL NA ALEMANHA TEM ARQUITETURA LÚDICA EM FORMA DE GATO GIGANTE

A escola infantil Die Katze em Wolfartsweier, perto de Karlsruhe, na Alemanha, tem chamado atenção das crianças e adultos pelo mundo todo. Isso porque sua arquitetura lúdica foi construída em forma semelhante de um adorável gato branco gigante.

Projetado pelo incrível artista francês Tomi Ungerer e pela arquiteta Ayla-Suzan Yöndel, o local, devido a criatividade e capricho, foi pensado justamente para que as crianças tenham prazer de ir à escola. Todos os dias, os alunos são estimulados a entrar pela boca do simpático gato. A barriga traz um vestiário, salas de aula, uma cozinha, refeitório e a escada principal.
As pernas são espaços dedicados a brincadeira. A turnê anatômica continua no andar de cima. A cabeça do gato é uma sala principal, por onde a luz natural entra através dos olhos e ouvidos. Tomi conta que escolheu o tema “gato” por ser seu animal favorito: “São animais inteligentes e conscientes de seu ser, perfeito para inspirar as crianças”.


O espaço construído para abrigar 100 alunos pode parecer estranho aos olhos de algumas pessoas, mas o tema usado em sua construção tem ampliado os conhecimentos dos pequenos. O edifício, que tomou forma para imitar um gatinho agachado com as orelhas de pé traz até um escorregador na parte de trás – no formato de seu rabo. Tudo é implementado para que eles aprendam enquanto se divertem.

Publicado originalmente em: FollowTheColours

amor, notícias

Cinema em São Paulo permitiu que cachorros vissem o filme “A caminho de Casa” com seus donos

Era algo lindo de se ver!! Alguns patudos ocupavam assentos e outros preferiam ficar assim mesmo na escada. Contudo, o ponto comum entre todos eles era a educação, pois sempre estiveram muito educadinhos e quietinhos.

Para aqueles que têm animais de estimação e os tratam como se fossem seus filhos, um típico cenário familiar, como a ida ao cinema, se tornou realidade graças a um cinema no Brasil, que permitiu que vários cachorros acompanhassem seus donos para assistir a um filme.

O filme era o “A caminho de Casa”, uma obra cinematográfica americana que conta a história de uma cadela chamada Bella, que percorreu mais de 600 quilômetros para se reencontrar com seu dono Lucas.

E nada melhor que ver esse filme com seu cachorro, né?

Pois então, foi justamente a pensar nesse cenário, que um cinema na cidade de São Paulo decidiu transformar o sonho de muitos em realidade e abriu suas portas para que as pessoas pudessem ver o filme na companhia de seus catioros, disponibilizando uma sala de maneira especial, para poder desenvolver toda atividade sem que ocorressem quaisquer inconvenientes.

Assim, com o chão coberto de tapetes e várias sacolas disponíveis para os patudos fazerem suas necessidades, cerca de 180 cães se deslocaram com seus donos até as salas do Frei Canenca Shopping para assistir ao filme.

O único “probleminha” encontrado era a localização da sala escolhida para o efeito. Essa estava localizada no terceiro andar e só poderia ser alcançada por elevador. Por isso vários donos tiveram que levar seus animais (muitos deles bem pesados) em seus braços.

Mas além disso… tudo correu perfeitamente. E como se costuma dizer, “Quem quer, tudo faz”.

Publicado originalmente em: Portal Animal

amor, histórias, notícias

Cão com câncer vende roupinhas para pagar sua quimioterapia

Norberto é um cachorrinho que morava nas ruas da Argentina. Seu destino mudou completamente no dia em que ele encontrou a dona de uma clínica veterinária. Ela decidiu ajudá-lo de uma forma que comoveu milhares de internautas.

Norberto chegou à clínica veterinária “Lola Polola” com uma infecção no pescoço. Noelia Tacacho, dona do lugar, e sua equipe o curaram e castraram. Após a intervenção, eles descobriram que ele tinha um tumor venéreo transmissível que só pode ser curado em sessões de quimioterapia caras. Noelia explicou que a quimioterapia custava US $ 300. Era necessário encontrar uma maneira de pagar pelo tratamento. Foi então que Norberto ficou conhecido através das redes sociais.

Ela publicou uma foto no Facebook da clínica. Nele o cachorro aparece com uma placa que diz “Eu vendo roupinhas para pagar minha quimioterapia”. A imagem teve um sucesso inesperado. Foi compartilhado por mais de 1.600 pessoas em apenas dois dias.

Enquanto a ação de Noelia moveu muitos internautas, muitos outros consideraram uma mera forma de promoção da clínica veterinária. A proprietária se defendeu dizendo que só queria que as pessoas comprassem os produtos da loja para financiar o tratamento de Norberto e poder salvá-lo.

Publicado originalmente em: Histórias com valor

amor, histórias, notícias

Homem entrou em coma e seu cachorro o acompanhou até ele acordar. Ele não queria sair do seu lado

“Onde está o anjo que constantemente sussurrou que tudo ficaria bem?”, Disse Francis Romero quando acordou.

Além de ser grandes seres, os filhotes são ótimos companheiros. Sua lealdade e amor são à prova de tudo, se você escolher um para ter ao seu lado, então tenha certeza de que você nunca será desapontado, nem ele vai te abandonar.

Isso foi o que comprovou Francis Romero, um homem de 70 anos que de repente entrou em coma, forçado a ficar em um hospital. Era uma situação extremamente difícil, especialmente para ele, um homem de idade avançada. As coisas poderiam se complicar mais facilmente.

Felizmente, no hospital onde ficou, ele foi autorizado a ter seu amado e fiel cão ficar com ele e acompanhá-lo durante os dias difíceis que o aguardavam.

Havia a possibilidade de que Francis nunca mais acordasse. Ou talvez devesse levar muito tempo para ele fazer isso. O futuro era totalmente incerto.

No entanto, o filhote de cachorro doce decidiu honrar o título que foi ganho entre os humanos, o melhor amigo do homem e não deixou seu dono por um segundo enquanto ele estava no hospital. Ele o acompanhava dia e noite.

Até que um dia, depois de um mês em coma, Francis acordou. E suas primeiras palavras derreteram aqueles que o acompanhavam: “Onde está o anjo que constantemente sussurrava que tudo ficaria bem?” Ele disse.

Por Constanza Suarez

Publicado originalmente em Revista saber viver mais

notícias, saúde

Ter um companheiro pet faz bem para sua saúde mental

Um amigo peludo pode ser um ótimo remédio para uma depressão severa, indica estudo

Muito já se sabe sobre os efeitos positivos da presença de animais de estimação para a nossa saúde mental – vide a quantidade de cães terapêuticos que atuam em hospitais para ajudar pacientes que sofrem de ansiedade e estresse pós-traumático e até na recente adesão de empresas à política de que seus funcionários levem seus pets ao escritório.

Mas parece que o impacto de cães e gatos na vida do ser humano pode ser ainda maior. Segundo estudo realizado por psiquiatras da Clínica Médico-Psiquiátrica da Ordem, em Porto (Portugal), adotar um pet pode amenizar as dores de pacientes com tipos perniciosos de depressões que não respondem aos tratamentos médicos convencionais.

Conforme descrito no periódico científico Journal of Psychiatric Research, 33 pacientes diagnosticados com distúrbio depressivo maior (DDM) experimentaram melhora significativa em seus quadros nutrindo contato com pets. Desse montante, mais de um terço já não tinha mais sintomas suficientes para ser enquadrado com a doença após 12 semanas. Por outro lado, outros 33 pacientes do estudo que não adotaram animais não mostraram ter nenhuma melhora significativa em seus sintomas depressivos.

Os participantes da pesquisa eram 80 pacientes de uma clínica psiquiátrica ambulatorial portuguesa. Nenhum deles tinha experimentado algum alívio da depressão mesmo após 9 a 15 meses de tratamento com sessões de terapia e dois ciclos de ingestão de medicações.

Foi aí que os pesquisadores decidiram incluir os pets e estudar como eles poderiam servir como auxiliares no tratamento do transtorno depressivo.

Durante as 12 semanas seguintes após a tomada de decisão, todos os pacientes continuaram participando de sessões de terapia e ingerindo suas medicações.
Utilizando a Escala de Avaliação de Depressão de Hamilton (HAM-D) e a Escala de Avaliação Global da Funcionalidade (GAF), os psiquiatras observaram que os novos donos de animais de estimação começaram a demonstrar sinais de alívio da depressão em apenas quatro semanas.

As diferenças significativas entre os dois grupos pela escala HAM-D apareceu na 8ª semana. Já na 12ª, os níveis entre os pacientes era bastante divergente na escala GAF – que indica uma relação de como a doença mental afeta a capacidade da pessoa funcionar no dia-a-dia. Não houve diferença significativa entre pacientes mulheres e homens.

Como os participantes do estudo não foram escolhidos aleatoriamente para saber quais teriam um animal de estimação e quais não, os resultados da pesquisa devem ser vistos com ressalvas. No entanto, mesmo assim, os dados fornecem indícios convincentes para futuras investigações.

Especulando sobre a conclusão, os autores do estudo afirmaram: “Uma das razões que podem os explicar os resultados é que os animais de estimação se forçam a neutralizar um dos principais sintomas da depressão, a anedonia. A Anedonia é a incapacidade de experimentar prazer encontrado em atividades normalmente agradáveis, como exercícios físicos, hobbies e interações sociais.”

A dupla ressalta que os cães podem proporcionar o benefício adicional de forçar seus donos a praticar atividades físicas e, muitas vezes, vivenciar novas situações sociais.
“No entanto, eles não são uma cura para esse tipo de doença e os benefícios só aparecem em pessoas que apreciam pets e têm tempo, atenção e dinheiro (para alimentação e cuidado veterinário) para gastar com eles.”

Com informações de IFLScience.

Publicado originalmente em Revista Galileu

notícias

Governo da França não reconhece pets como “objetos”, mas sim como seres vivos com sentimentos

Inspirados por uma petição, membros do parlamento francês votaram na aprovação um novo projeto de lei. A lei muda a forma como os cerca de 63 milhões de animais de estimação são vistos.

A nova legislação, que é patrocinada pelo Presidente francês François Hollande, muda a definição de animais de “bens móveis” para “seres vivos e sentimentais”

Graças à votação parlamentar, cachorros, gatos, cavalos e outros animais de estimação na França terão agora novos direitos.

O ex-ministro da Educação e filósofo francês Luc Ferry foi uma das 700.000 pessoas, incluindo outros cientistas e acadêmicos, que assinaram a petição francesa. Petição que pedia o fim da definição de “animal” usada no código civil napoleônico de 1804. Uma definição que animais de estimação equivalentes com pedaços de propriedade como móveis. Ferry acredita que a definição secular está fora de contato com a realidade – “absurdo” , ele diz ao Daily Mail .

“Ninguém jamais torturou um relógio” , explica Ferry. “Os animais sofrem, eles têm emoções e sentimentos. Não se trata de fazer dos animais sujeitos à lei, mas simplesmente protegê-los contra certas formas de crueldade. ”

Um fato óbvio

O chefe da organização francesa de bem-estar animal que iniciou a petição, 30 Millions d’Amis (que significa “30 milhões de amigos”), Reha Hutin, aplaude a votação, dizendo ao Telegraph que aprovando o projeto de lei o parlamento reconheceu “um fato óbvio: os animais são seres dotados de sentimentos ”.

“[Foi] ridículo ver animais de estimação como móveis que podem andar sozinhos”, acrescenta ela. A redefinição provavelmente abrirá caminho para leis mais fortes contra a crueldade contra os animais.

E um advogado francês, Franck Mejean, diz que a votação do parlamento encerrará uma “área cinzenta legal” para gatos, cachorros e outros animais de estimação presos no meio de divórcios.

“Eu já pedi a um juiz para conceder a custódia compartilhada de um gato” , explica Mejean. “Nenhum dos cônjuges queria se separar dele.”

Mas esta nova medida não é sem oposição. Críticos acreditam que a nova lei poderia proibir práticas como caça, pesca e outros esportes relacionados a animais. Outros temem que a nova definição de “animal” possa ser adotada por ativistas dos direitos dos animais. Que podem argumentar que as atuais práticas de abate francês e o consumo de carne são errados porque envolvem a morte de “seres com sentimentos” .

Publicado/Imagem

originalmente em: Histórias com valor

amor, notícias

Eu gosto de pessoas que consideram família seus animais de estimação

Eu gosto de pessoas que de repente descobrem o que é ter um cachorro ou um gato. Gosto quando caem exaustos para esses novos companheiros, para aqueles animais de estimação que revolucionam quase sem saber como, todo o seu universo pessoal.

Amar os animais é algo que acontece quase sem perceber, e que a mudança, esse passo que muitas pessoas fazem quando os participantes em um mundo de emoções, jogos, empresas e riso espontâneo, está reformulando novos valores e novas descobertas internas.

Animais de estimação são mais que animais de estimação, eles entram em nossos corações sem avisar, ganhando nossos sorrisos e os lugares favoritos do nosso sofá até que um dia, eles deixam de ser animais de estimação para ser família.”

As pessoas que entendem e valorizam o que é amar um animal têm uma nobreza especial. Sua capacidade de oferecer amor, cuidado, ser mais paciente e responsável é algo notável, porque queremos ou não, todos temos muito a aprender com eles: animais de estimação.

A maneira pela qual os cães nos integram como membros de sua família, seu rebanho ou a capacidade de um gato mostrar seu respeito e afeto com seus olhos limpos e imensos, é algo que todos devemos aprender a valorizar…

A vida com animais de estimação nos torna uma pessoa melhor

Não se trata de defender a ideia de que todos os que não amam animais, ou simplesmente não gostam de compartilhar tempo e espaço com eles, são uma pessoa ruim. Em absoluto. Trata-se realmente de entender algo mais simples: um animal pode, a qualquer momento, oferecer-nos muitas coisas de que precisávamos.

“O mundo é habitado por muitas pessoas sem sentimentos, mas algo que temos claro é que todos os “animais” são capazes de oferecer um afeto puro e desinteressado.”

Curiosamente, se formos à raiz etimológica da palavra “animal”, veremos que ela deriva na realidade da anima ou do animus, isto é, possuidor da alma ou do sopro da vida.

E mais ainda, no folclore de muitos países há histórias que falam de cães e gatos como autênticos espíritos-guia da humanidade. Entidades cujo objetivo é cuidar de nós e nos orientar.

De qualquer forma, algo que é claro é a maneira como eles podem nos mudar, a maneira como eles nos oferecem o poder de implantar novas estratégias para desfrutar de uma vida mais plena.

Introduzir um cão na vida de um homem velho, por exemplo, dá a ele a necessidade de levar novas rotinas, diretrizes e obrigações. Vai forçar você a se abrir para o mundo, aumentar os reforços positivos através das emoções, uma companhia sincera que alivia a solidão e uma atividade diária para combater o estilo de vida sedentário.

Ajuda-os a serem pacientes, a respeitar, a assistir, a estabelecer uma união onde o valor dos gestos e das afeições é maior que as palavras.

Para nós, adultos, nos dá aquele amor que nos parece tão estranho às vezes: um amor que é oferecido por nada, que não conhece ressentimentos, que nos força a viver no “aqui e agora”, onde não vale a pena adiar um passeio ou uma carícia. Onde os cochilos compartilhados são instantes de cumplicidade agradável, onde perdoamos brincadeiras e adoramos tê-los por perto, como mais um da família.

Animais de estimação nos mostram que somos dignos de seu amor

Não importa se você é alto ou baixo, você é um daqueles que esquecem os aniversários das pessoas ou aqueles que preferem uma tarde chuvosa a um dia de praia. Animais de estimação não nos julgam por causa de nossas crenças, aspectos físicos ou opiniões políticas. Seus animais, eles só entendem emoções.

“Eles dizem que os animais de estimação entendem o significado da amizade e, acima de tudo, da família: pertencer a um grupo. Porque eles amam sem distinção de raça ou espécie.”

A pessoa que compartilha a vida, os espaços e os momentos com seus cães ou gatos sabe que ele é digno do amor de seu animal. E é simplesmente porque existe, porque o amor que é oferecido sem concessões e com a alma pura é um amor baseado na alegria.

As pessoas que são amadas pelos seus animais de estimação são simplesmente porque lhes oferece o que precisam: pertencer a uma casa, atenção, cuidado, amor … Se percebermos e analisarmos calmamente, perceberemos que, no fundo, as suas necessidades são muito parecido com o nosso.

A pessoa que compartilha a vida, os espaços e os momentos com seus cães ou gatos sabe que ele é digno do amor de seu animal. E é simplesmente porque existe, porque o amor que é oferecido sem concessões e com a alma pura é um amor baseado na alegria.

As pessoas que são amadas pelos seus animais de estimação são simplesmente porque lhes oferece o que precisam: pertencer a uma casa, atenção, cuidado, amor … Se percebermos e analisarmos calmamente, perceberemos que, no fundo, as suas necessidades são muito parecido com o nosso.

Eles também precisam de raízes, pertencem a uma casa e têm alguns membros para defender e aqueles para amar. Nós somos sua matilha, sua família, seu pequeno micromundo. Entender tudo isso é algo que nos enriquece e nos ajuda a sermos melhores simplesmente, porque para eles somos dignos de estar em seus corações.

Publicado originalmente em: Contioutra

Imagem: Laurie Locci – Homenagem Nicole e Laya

adoção, amor, curiosidades, histórias, notícias

Muro de escola ganha grafite para incentivar a adoção de animais, em Coqueiros, Florianópolis

O muro da Escola Almirante Carvalhas, em Coqueiros, está mais colorido de umas semanas pra cá. Um grafite lindão feito por um dos nossos melhores artistas dá um incentivo para pessoas que estão na dúvida entre adotar um amiguinho de quatro patas ou comprar. A arte do grafiteiro Rodrigo Rizzo é uma extensão da campanha da Diretoria do Bem-Estar Animal da Capital, que tem em seus canis cerca de 100 cães e 60 gatos, vítimas de abandono e aguardando ansiosamente para ter uma família. Os interessados podem entrar em contato com a Dibea pelo telefone (48) 3234-5677.

A ideia da arte é incentivar a adoção e conscientizar as pessoas de que um animalzinho passa a ser responsabilidade delas até que a morte os separe, e não até eles ficarem idosos ou doentes.

Quer saber? Eu apoio!

Por Edsoul – olharanimal.org

Fonte: NSC Total

adoção, amor, histórias, notícias

Maratonista resgata filhote durante prova e corre 30km com animal no colo

A atleta tailandesa, Khemjira Klongsanun resgatou um filhote da beira da estrada durante uma maratona na cidade de Ratchaburi, na Tailândia. A prova de 41 quilômetros não estava nem na metade quando ela viu outros participantes em torno do cachorro.

Ela, então, o pegou e correu os 30 quilômetros restantes com ele no colo.

“Eu percebi que ele estava perdido. Não tinha casas, outros cachorros ou nenhuma pessoa por perto. Ele estava confuso no meio daquele ambiente”, disse Khemjira ao site Daily Mail.

Depois da maratona, a tailandesa decidiu adotar o cãozinho, que foi batizado de Chombueng.

Fonte: Vírgula