dicas, notícias, saúde

Outubro Rosa – Câncer de mama

No mês de outubro foi criada a campanha de conscientização do câncer de mama para mulheres. Infelizmente essa doença também acomete as fêmeas de cadelas e gatas.

O câncer é uma doença que costuma causa pânico nos proprietários por ser sinônimo de morte para os cães, mas desde que diagnosticado precocemente, pode ser tratado e curado. Por isso é muito importante ficar atento aos sinais que indicam o surgimento de um tumor e acompanhar periodicamente a saúde dos animais de estimação, com idas frequentes ao veterinário.

A maior incidência é em fêmeas acima dos sete anos de idade. É muito semelhante ao que acontece na mulher, que tem como o principal fator de desenvolvimento o uso de alguns anticoncepcionais, dieta imprópria, obesidade e a pseudociese, que é popularmente conhecida como gravidez psicológica.

O câncer de mama, ao contrário do que muitos pensam, não afeta apenas as fêmeas, podendo acometer machos em alguns casos.

 

Como identificar o câncer de mama

As primeiras mudanças que podem ser observadas nos animais são as comportamentais, como tristeza, falta de apetite, febres e vômitos.

Na maioria dos casos o tumor é maligno (50% dos casos), muitas vezes os sinais podem se desenvolver de forma silenciosa, não causando alterações físicas ou comportamentais latentes e imediatas.

Os sinais nem sempre aparecem no início da doença. Alguns deles são detectáveis somente em um estágio avançado do câncer:

  • Caroços na região das mamas do animal
  • Inchaço ou dilatação na área mamária da cadela
  • Dores na região das mamas
  • Presença de secreções nas mamas com odor desagradável
  • Perda de peso e apetite, feridas que não cicatrizam, febre e vômito

Os tumores podem ser identificados como uma massa sólida ou como a presença de pequenos inchaços múltiplos, que podem dobrar de volume em apenas um mês (ao contrário dos tumores benignos, que apresentam desenvolvimento lento).

Como é diagnosticado e seu tratamento

O diagnóstico do câncer é feito principalmente por exames clínicos da região mamária e exames de citologia aspirativa do nódulo.

Após a análise dos resultados, é o veterinário quem irá pedir uma série de exames, para se certificar qual será o tratamento adequado e em qual estágio a doença se encontra. Sendo possível descobrir se existe a presença de metástases do câncer, que são responsáveis pela propagação do tumor para outras partes do corpo além das mamas.

Com o diagnóstico de câncer de mama definido, vem a parte do tratamento, a primeira opção é a cirurgia para a retirada completa do tumor.

A operação cirúrgica geralmente já é o suficiente para o caso de cânceres benignos, mas se forem malignos é necessário a realização de uma quimioterapia e um intenso cuidado de prevenção contra a reincidência e a metástase após a operação.

Infelizmente, quando a metástase ocorre as chances de cura são mínimas, e a opção é fazer o tratamento dos sinais clínicos para da qualidade de vida.

Prevenção

A melhor maneira de prevenir é a castração antes do primeiro cio, que reduz as chances do desenvolvimento de um câncer de mama em 95%, por diminuir drasticamente as alterações hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual.

É contra indicado o  uso de anticoncepcionais, pois o descontrole do estrógeno e da progesterona (hormônios relacionados à sexualidade, prenhez e amamentação) é a principal causa deste tipo de tumor.

download (1)

download

Imagens: anda.jor.br/olhardovale/castracaosolidaria

 

 

dicas, notícias, saúde

Convivência com gatos na infância reduz risco de asma

Grande levantamento mostra que a exposição a substâncias liberadas por esses bichinhos protege contra a doença

Cientistas acabaram de trazer novos argumentos para se defender a convivência entre bichos e crianças . Em extenso estudo feito pelos Institutos Nacionais de Saúde, nos Estados Unidos, foi avaliada a influência de certos alérgenos na saúde respiratória de 560 crianças. A conclusão principal? Estar exposto, desde bebê, a certas substâncias que os gatos soltam deixaria as crianças mais resistentes à asma por volta dos 7 anos de idade. Os estudiosos notaram uma associação similar em relação aos cachorros, mas os resultados não foram considerados estatisticamente significativos.

A descoberta vai contra crenças antigas de que, ao reduzir o contato com alérgenos dentro do ambiente doméstico, acabamos afastando a doença. E olha que todos os participantes do estudo possuíam grande tendência a desenvolver a condição, já que pelo menos um dois pais tinha alergia ou asma. Além disso, as crianças cresceram em áreas extremamente urbanizadas (e, portanto,poluídas) dos Estados Unidos, como Baltimore, Boston e Nova York.

O relatório ainda confirmou dados que já apareciam em outros trabalhos. Por exemplo: a influência de alguns hábitos e problemas de saúde da mãe no bem-estar respiratório de seus filhos. É o caso do tabagismo durante a gestação e de depressão e estresse durante os três primeiros anos de vida dos pequenos – tudo isso aumentou o risco de as crianças apresentarem asma.

gato05

Fonte: Revista superinteressante

Foto: Vivienstock/iStock

dicas

Dica de leitura – Procurava um marido e encontrei um cachorro

procurava-um-marido-encontrei-um-cachorro

Livro: Procurava um marido e encontrei um cachorro

Autora: Karen Templeton

     “Procurava um marido e encontrei um cachorro é um romance bem-humorado sobre as ocorrências inusitadas na vida de Ginger Petrocelli, uma designer de interiores de Manhattan abandonada pelo noivo no altar. Agora Ginger tem de retomar o dia-a-dia de mulher solteira e também enfrentar milhões de imprevistos que continuam acontecendo, sem perder o rebolado e muito menos o charme e a graça.”

curiosidades, notícias

Bebês que convivem com cães são mais fortes e saudáveis

Novo estudo mostra que ter um cachorro em casa pode fazer bem para a saúde do recém-nascido, afastando problemas como alergias e obesidade

     A relação entre as crianças e os bichos de estimação é recheada de afeto e cumplicidade. Basta dar uma navegada nas redes sociais para ver os inúmeros vídeos que provam tamanha interação e fofura. Porém, ainda há muitas famílias que têm ou querem adotar um pet mas ficam com receio em relação aos prejuízos à saúde das crianças e se questionam: “Será que meu filho vai ficar doente por causa dos vírus e bactérias que os pets carregam?” Segundo estudos recentes, o que acontece é exatamente o contrário.

        Uma pesquisa da Universidade de Aberta, no Canadá, mostrou que os cães não só reforçam o sistema imunológico dos bebês, diminuindo o risco de desenvolverem doenças infantis alérgicas, como também os protegem da obesidade. Os cientistas analisaram dados de 700 bebês, sendo que 46% deles conviveram com pelo menos um pet (a maioria, cachorro) desde a barriga da mãe (nos últimos seis meses de gestação) até os três meses após o nascimento.

     Ao analisar o exame de fezes dos recém-nascidos, os pesquisadores chegaram à conclusão de que o grupo (que teve contato com o cachorro desde a barriga da mãe) apresentava, em média, duas vezes mais duas bactérias: Ruminococcus e Oscillospira, em comparação à turma que não tinha um mascote. Essas duas bactérias estão ligadas à uma chance menor das crianças apresentarem complicações alérgicas e ganho acelerado de peso.

    Estudos já haviam comprovado que o convívio dos pequenos com pets é bom para evitar dermatites e asma e, também, deixar os bebês mais ativos e afastar a ansiedade. “A relação afetiva entre animais e crianças sempre se mostrou muito positiva. Defendo esse convívio porque estimula o companheirismo, a amizade e o cuidado”, diz o pediatra Carlos Eduardo Correa, conhecido como Cacá (SP).

     E não se preocupe caso o seu filho ganhe um beijinho em forma de lambida no rosto. “É praticamente impossível achar que o cachorro não vai lamber a mão ou alguma parte do corpo da criança. Por isso, o mais importante é manter o pet sempre saudável para evitar qualquer problema de saúde que possa passar para o bebê, como a sarna, por exemplo”, observa Cacá.

Fonte: http://revistacrescer.globo.com
saúde

Animais também sofrem com o tempo seco

     O tempo seco pode causar problemas para  saúde do seu animal, principalmente para cães e gatos,  filhotes ou idosos. Os adultos com doenças cardíacas, respiratórias ou alérgicas, necessitam de muito mais atenção, assim como cães de raças braqueocéfalicas (Pug, Buldogue, entre outros).

    Com a baixa umidade do ar, vírus e as bactérias se instalam no aparelho respiratório de cães e gatos com maior facilidade e causando infecções em diferentes partes do corpo.

    Os principais sinais apresentados são:  dificuldade para respirar, tosse, secreção nasal, espirros, cansaço, boca seca e desidratação, além de coceira e secreção nos olhos. Com um quadro agravado eles podem apresentar gripe (traqueobronquite canina ou rinotraqueite felina) – ou outras complicações.

    Os olhos também apresentam problemas que precisam de limpeza com soro fisiológico ou água filtrada várias vezes ao dia e lubrificação com colírios específicos para animais com olho seco ou outras doenças oftálmicas.

    A incidência de carrapatos também aumentam nesse período, o problema não é relacionado diretamente com a baixa umidade, mas sim com a grama seca, que é ideal para a proliferação de carrapatos. Recomenda-se o tratamento preventivo contra o parasita.

    É recomendado fornecer muito líquido para os animais durante todo o dia, evitar passeios em horários de sol em que há a menor taxa de umidade do dia,  manter o ambiente sempre umidificado com toalhas molhadas, bacias com água ou umidificadores de ar.

     Fique atento se o seu bichinho está comendo bem, se continua ativo e brincando, ou a qualquer sinal de tosse, secreção nasal e ocular e dificuldade respiratória grave.

     A vacinação em dia é muito importante, principalmente a vacina contra a gripe!

    Qualquer alteração que o seu animal não esteja habituado, leve-o ao veterinário para uma consulta!

0,,15191398,00

Por Laurie Locci Marques Pires – Médica Veterinária

Imagens: granvitapet e globo.com

 

 

curiosidades

Curiosidades Felinas

* A audição dos gatos é bem mais sensível que dos homens e cães, possuem os ouvidos afunilados que podem amplificar os sons como um megafone.

 

* Andam na ponta dos dedos.

* São muito limpos e passam cerca de 30% de sua vida se limpando. Quando se lavam, perdem quase tanto liquido, quanto perdem urina.

* O ronronar nem sempre é por alegria e prazer. Alguns gatos ronronam alto quando estão com medo ou com dor.

* Possuem 30 dentes, enquanto os cães possuem 42. Os dentes de leite são substituídos pelos permanentes por volta dos 7 meses de idade.

* A expectativa de vida de um gato bem cuidado é de mais ou menos 16 anos.

* Em proporção ao corpo, os gatos são os mamíferos que possuem os maiores olhos.

* Usam a cauda para se equilibrarem.

* A mania de se esfregarem nas pessoas acontece porque possuem glândulas odoríferas na cabeça, que ao se esfregarem liberam secreções (limpas) que deixam seu odor impregnado para marcação de território. O cheiro não é detectado por nós humanos, somente por animais.

* Podem dormir por 16 horas, divididas em vários períodos.

* São capazes de pular 5 vezes a sua altura.

* A velocidade, visão e habilidade de um gato colocam-no entre os maiores caçadores da natureza.

* Enxerga 6 vezes melhor que um humano a noite.

* A pelagem com 3 cores diferentes é sempre de fêmeas.

* Os bigodes de um gato servem para orienta-los, nunca devem ser cortados.

* A temperatura normal de um gato é de 38 graus.

* Quando assustado, todo o pelo do corpo se eriça. Quando pronto para o ataque, o pelo se eriça apenas numa estreita faixa sobre a coluna vertebral.

Curiosidades geográficas:

* Na China, estátuas de gatos possuem a simbologia de expulsar maus espíritos.

* Na França, simboliza sorte e fortuna.

* Na Grécia, simboliza a feminilidade e prazer sexual.

* Na Índia, possuem livre acesso às residências porque trazem a prosperidade aos lares.

* Na Indonésia tem a superstição que ao aspergir gotas de água sobre o gato atrai a chuva.

* No Japão o talismã Maneki-Neko é um símbolo de boa sorte.

* As lendas dizem que Maomé foi salvo de uma picada de cobra por um gato.

* Os gatos em muitos locais do mundo foram introduzidos para reduzir a população de ratos.

* Antigos egípcios tinham uma adoração, como se gatos fossem Deuses. Matar um gato, era crime punido com a morte.

 

Fonte: Revista pulo do gato
Imagem: Mundo dos animais
saúde

Primeiros socorros para cães

               Em caso de acidentes com seu cão, saber o que fazer para salvá-lo, antes de ter tempo de socorrer com atendimento veterinário, é de extrema importância.

               Os casos mais comuns são: atropelamento, envenenamento, cortes ou feridas, convulsões, picadas de inseto, queimaduras, entre outros.

               Primeiramente deve-se manter a calma, para poder fazer os procedimentos necessários sem cometer erros que possam prejudicar ainda mais o estado do cão. Tome cuidado quando for se aproximar do animal, pois com dor podem se tornar agressivos.

1-) Atropelamento

               A remoção deve ser feita com muito cuidado, para que nenhum movimento errado piore os ferimentos. Coloque-o em um papelão ou uma tábua e tente imobilizar para transportá-lo com segurança.

               Se o cão estiver com hemorragia, pressione o local com um pano, fazendo o estancamento do sangue.

               O cão, nesses casos, deve ser levado imediatamente ao veterinário.

2-) Queimaduras

               Em casos de queimadura, nunca coloque nenhuma substância e nem cubra a ferida.

               Queimaduras superficiais, lavar a lesão com soro fisiológico frio. Em casos mais graves, por ser muito doloroso, levar imediatamente ao veterinário, pois o procedimento deve ser feito com anestésicos.

3-) Envenenamento

               Observar os sinais clínicos: salivação excessiva, vômito, diarreia, olhos lacrimejando, agitação, sonolência, hemorragia, tremores, dificuldades respiratórias e alterações dos batimentos cardíacos.

               Os sinais dependem muito do tipo de substância e quantidade que foi ingerido. Os mais comuns são: produtos de limpeza, inseticidas, plantas e agrotóxicos.

               Lembre-se de levar a embalagem do produto ou substância que o cão ingeriu para o veterinário saber o tipo de tratamento adequado.

               Jamais tente medicar seu cão, pois pode estar piorando seu estado.

4-) Cortes ou Feridas

               Feridas superficiais pode-se fazer um curativo, limpando o local com água e sabão, passar água oxigenada e antisséptico e tampar com uma gaze.

               Feridas profundas devem ser tratadas pelo médico veterinário. Até chegar ao atendimento pressionar o ferimento com uma gaze ou pano limpo, para estancar o sangue.

5-) Convulsões

               Nesses casos, colocar o animal em um local seguro, macio, sem objetos por perto, para que não se machuque quando se debater. Mantenha o local em silêncio, pois muito barulho agita ainda mais o cão. Mantenha-o aquecido.

               Normalmente as convulsões duram de dez segundos a três minutos. Aguarde a crise passar.

               Para maiores esclarecimentos e saber se o cão vai precisar de medicamentos, levá-lo ao veterinário.

6-) Engasgo

               Os sinais que os cães demonstram quando estão engasgados são: o animal limpa a boca com as patas, tem dificuldade de respirar, palidez, língua ou mucosas azuladas, agonia e desmaios.

               Para ajudá-lo, tente acalmá-lo. Abra a boca do cão pressionando os lábios entre o dedo e os dentes para que respire melhor e verificar se não tem nenhum objeto, causando obstrução.

               Caso não consiga ver algum objeto, se o cão for pequeno, pegue-o pela pernas traseiras e vire-o de cabeça para baixo e chacoalhe devagar.

               Quando o cão for grande, deite-o no chão e vire-o de lado. Coloque a mão atrás do seu tórax e faça um movimento apertado para baixo. Solte um pouco e repita o movimento várias vezes.

7-) Picadas de inseto

               A maioria das picadas de insetos são inofensivas para cães, mas há casos que podem manifestar uma reação alérgica, causando inchaço, dor nos músculos e na área afetada, vômitos, fraqueza, febre e choque.

               Nos casos mais graves que levam o animal ao choque, onde as gengivas ficam pálidas, batimento cardíaco e respiratório acelerados, deve-se levar imediatamente ao veterinário.

😎 Dicas importantes

               Respiração artificial – com sua mão, feche a boca do cão segurando o focinho. Eleve a cabeça do cão e encoste sua boca em seu focinho. Sopre nas narinas até perceber que o peito do cão estufe. Deite a cabeça do cão e faça uma pressão no peito para que o ar saia. Em cada minuto, repita este procedimento de 8 a 10 vezes.

               Massagem cardíaca – deitar o cão sobre o lado direito. Coloque a palma da mão sobre o coração do cão. Faça uma pressão rápida sobre a região e solta. Massageie por um minuto, até perceber que os batimentos voltaram.

               Kit de primeiro socorros – tesoura, pinça, luvas, gaze, toalha, cobertor, esparadrapo, termômetro, solução antisséptico, água oxigenada, papelão para imobilização.

Por Laurie Locci Marques Pires – Médica Veterinária